clube   |   doar   |   idiomas
A grande mudança monetária e bancária que está por vir - está preparado?
E haverá muito poucas alternativas para escapar

No ano de 2020, algo que já era visível nos anos anteriores se tornou ainda mais claro: governos e bancos centrais não conseguem fazer com que suas medidas de "afrouxamento quantitativo" — isto é, impressão de moeda com o intuito de "estimular a economia" — cheguem a quem precisa.

Em tese, o objetivo de um afrouxamento quantitativo é prover liquidez para os bancos, para que estes, então, emprestem para pessoas e empresas, a juros baixos, para assim estimular  o consumo e o investimento.

Na prática, no entanto, boa parte da moeda que é criada pelos Banco Centrais e repassada aos bancos fica retida no próprio sistema bancário. 

Os motivos deste "empoçamento" são vários, mas o principal é o próprio temor dos bancos de levarem calote: em um cenário de juros artificialmente baixos e de grandes incertezas econômicas, emprestar para pessoas e empresas deixa de valer a pena. É pouco rentável e muito arriscado.

Consequentemente, os bancos preferem reter uma parte do dinheiro, e emprestar a outra parte apenas para grandes empresas (com bom histórico de crédito) e, principalmente, para os próprios governos. Daí o fenômeno dos juros reais negativos nos títulos públicos dos países da Europa

Isso explica também toda a baixa inflação de preços. A base monetária criada pelos Bancos Centrais praticamente não entrou na economia.

Este fenômeno, que começou após a crise financeira de 2008, tornou-se ainda mais intenso durante a pandemia de Covid-19. Na Europa, o fenômeno é mais evidente. A expansão monetária feita pelo Banco Central Europeu praticamente não vaza para a economia. Houve apenas um ligeiro aumento na oferta monetária total, nada percentualmente significativo.

Logo, uma ampla mudança no atual sistema monetário e bancário está por vir. E será uma mudança que afetará a todos: os Bancos Centrais passarão a emitir moedas digitais.

Na prática, todos os Bancos Centrais transformarão suas respectivas moedas nacionais em criptomoedas, com funcionamento semelhante ao Bitcoin.

Já se fala abertamente

Essa ideia foi primeiramente levantada pelo presidente do Banco Central da Inglaterra, Mark Carney, no ano passado. Causou algum furor, mas depois passou.

Porém, com a Covid-19, o tema não só foi ressuscitado, como já se encontra em rápida expansão.

Esta monografia do FMI fala sobre o assunto. O título já é explícito: será a maior transformação monetária desde o acordo de Bretton Woods

O mesmo FMI também está fazendo conferências abertas sobre o tema.

Já o Banco Central Europeu foi o mais incisivo e o mais explícito: sua intenção de implantar um euro digital já está avançada.

O Banco Central da Suécia também está adiantado em seus experimentos. Assim como o Banco Central da China.

Nos EUA, alterações regulatórias já foram feitas, permitindo a custódia bancária de ativos digitais, especialmente o Bitcoin. Uma alteração regulatória deste porte significa não apenas a aceitação do governo de que os ativos digitais vieram para ficar, como também o reconhecimento de que eles são o futuro.

E, recentemente, o Federal Reserve passou a falar abertamente sobre o assunto.

O próprio FMI é tão explícito que já faz até enquete aberta nas redes sociais sobre o tema.

Ou seja: moedas digitais emitidas por Bancos Centrais estão chegando. E irão alterar absolutamente tudo.

As consequências

Realmente, como aludiu o FMI, trata-se do maior evento monetário desde Bretton Woods.

Está fora do escopo deste artigo fazer explicações técnicas e detalhadas sobre o funcionamento das moedas digitais. Basta dizer que as Moedas Digitais Emitidas por Bancos Centrais terão um funcionamento similar ao Bitcoin, com a diferença de que, obviamente, serão emitidas pelos governos.

E isso muda tudo.

Na prática, os Bancos Centrais utilizarão a tecnologia blockchain para transformar as moedas nacionais em criptomoedas. Será uma revolução para o sistema financeiro global tão grande quanto a internet.

Consequentemente, o Banco Central terá total controle sobre a circulação desta moeda. Por meio da tecnologia blockchain — que grava toda e qualquer transação financeira — ele saberá, a todo momento, exatamente quem detém qual dígito em qual carteira. Ele saberá a exata quantia que cada indivíduo tem em suas carteiras digitais. A privacidade financeira será uma relíquia do passado.

Mas o real objetivo de uma moeda digital emitida por um Banco Central é outro: uma moeda digital permite que o Banco Central não mais dependa do sistema bancário para fazer sua política monetária. 

Com uma moeda digital, o Banco Central poderá livremente criar moeda e enviá-la diretamente para a carteira eletrônica de quem ele quiser.

Igualmente, o Banco Central também se torna o executor da política fiscal. Por saber exatamente quem detém quantos dígitos, e por estar ciente de toda e qualquer transação monetária (que serão feitas via transferência de dígitos entre carteiras, e que ficam gravadas no blockchain), ele também terá o poder de tributar e redistribuir.

Isso altera completamente, e para sempre, as políticas fiscal e monetária. Os Bancos Centrais não só poderão se tornar os executores da política fiscal, como também poderão fazer uma política fiscal completamente independente das finanças dos governos. 

Eles poderão, por exemplo, enviar moeda diretamente a donos de restaurantes que foram fechados por causa da pandemia, como uma medida de estímulo. Ao mesmo tempo, poderão punir os poupadores impondo juros negativos — ou seja, cobrando juros — a pessoas que tenham muita moeda parada em suas carteiras.

Um sistema de várias taxas de juros, controlado pelo Banco Central, será a norma. Não mais serão os bancos tradicionais que irão determinar os juros de acordo com riscos ou disponibilidade de capital. Os Bancos Centrais poderão estipular o custo de capital que quiserem para qualquer indivíduo ou empresas que escolherem.

Isso também significa que aqueles que têm um histórico ruim de crédito e que hoje só conseguem empréstimos a juros altos poderão conseguir capital a juros menores. 

Vale enfatizar que, no arranjo atual, em termos puramente contábeis, para o Banco Central criar moeda, ele tem de comprar um título do governo (ou um título privado). Ou seja, a criação de moeda tem como contrapartida a compra de uma dívida que vai para o balancete do Banco Central. Com uma moeda digital, isso acaba. A emissão de uma cripto-moeda não gera nenhuma contra-partida contábil. Ao contrário da moeda fiduciária, que representa um passivo para o Banco Central, a moeda digital não é passivo de seu emissor.

E o principal: tal medida será crucial para a imposição de um sistema de Renda Básica Universal. Com a difusão dos smartphones e da internet 5G, mesmo os mais pobres das regiões mais remotas conseguirão receber moedas digitais em suas carteiras diretamente do Banco Central.

Embora isso irá retirar poderes discricionários dos governos, vale ressaltar que tal arranjo fará com que eles sejam absolvidos de qualquer responsabilidade por qualquer crise econômica futura. Não há por que imaginar que os políticos serão contra isso.

Tudo isso fará com que a economia comportamental assuma a dianteira da política econômica. O Big Data e os dados da atividade em tempo real irão alimentar as decisões da política monetária e fiscal. Os Bancos Centrais poderão criar incentivos diretamente, tanto na forma de recompensa quanto de punição. Eles poderão afetar o comportamento humano de uma maneira bem mais sutil e discreta do que as tradicionais políticas monetária e fiscal. Será uma tremenda alteração em tudo o que sabemos sobre economia, principalmente macroeconomia.

Os Bancos Centrais, em suma, terão o poder de criar e destruir moeda diretamente nas carteiras dos cidadãos, contornando completamente o sistema bancário e toda a esclerosada burocracia estatal que, como vimos durante a pandemia, não conseguiu fazer com que os cheques de estímulos chegasse a indivíduos e empresas.

Com efeito, a evolução mais provável é que as pessoas passem a ter suas contas bancárias diretamente no Banco Central, e não mais em bancos convencionais — uma total mudança de paradigmas.

Liberdade e desvalorização

Muitos dirão que tal arranjo representará a total extinção das liberdades e da privacidade. Sim, mas a realidade é que, hoje, já não temos nenhuma privacidade e nenhuma liberdade em relação ao governo e aos banco centrais caso operemos dentro do sistema principal (isto é, caso não utilizemos Bitcoin e ouro em nossas transações).

E também é fato que as grandes empresas de tecnologia — como Google, Facebook, Twitter e afins — já conseguiram dominar a arte de manipular a economia comportamental como uma forma de alterar o comportamento humano. Logo, neste quesito, também não mudará muito.

No entanto, o ponto-chave aqui — além de uma maneira totalmente revolucionária de coletar impostos, de dar incentivos e ministrar punições, e de alterar todo o sistema atual — é um acordo implícito, forjado pelo FMI, de que os Bancos Centrais mundiais poderão expandir a oferta monetária livremente caso combinem forças e atuem conjuntamente

A ideia é que, em não mais do que daqui a 5 anos, os países deixem de usar o dólar no mercado internacional e adotem, para as transações internacionais, uma moeda digital lastreada em uma cesta de moedas (exatamente como era o plano da LIBRA). E então todos eles poderão expandir, conjuntamente, suas moedas digitais nacionais e assim evitar que determinados países sejam penalizados com movimentações acentuadas em suas taxas de câmbio.

A consequência óbvia disso é que haverá uma desvalorização conjunta de todas as moedas mundiais. Poderá isso criar uma inflação de preços estrutural? Não sei, mas tenho certeza que o debate será intenso. Apenas digo que, por causa das mudanças demográficas (população envelhecendo tende a poupar mais) e do avanço tecnológico (que aumenta a produtividade), as pressões deflacionárias também serão fortes.

Mas posso afirmar com total convicção que essas moedas, globalmente, valerão cada vez menos em relação a ativos sólidos — como, aliás, já está acontecendo.

Como se proteger

E é por isso que, neste cenário, ouro e principalmente Bitcoin irão se tornar a maneira de escapar deste sistema de perda de privacidade e destruição de riqueza. Ambos serão o bote salva-vidas. 

O Bitcoin, em específico, é uma reserva de valor totalmente descentralizada. Seus usuários — ao contrários das moedas digitais estatais — permanecem anônimos. Suas transações não podem ser tributadas, pois estão fora do escopo dos Bancos Centrais (pois não foram estes que criaram o Bitcoin).

E o fato de que sua oferta foi programada para jamais superar 21 milhões de unidades faz com que sua qualidade de reserva de valor se torna ainda mais óbvia — além da privacidade. 

Este é o grande poder da descentralização: não há como governos controlarem.

Ademais, com o tempo, o próprio arranjo tende a criar incentivos para que outros países adotem moedas mais sólidas para atrair capital. É tudo uma questão de seus cidadãos reagirem e começarem a abandonar as moedas nacionais em prol de outras mais sólidas — além do Bitcoin e da rede Ethereum (que também tem sua própria moeda digital, o Ether), vale ressaltar que várias empresas privadas emitem hoje moedas digitais 100% lastreadas em ouro. Certamente será uma alternativa.

O fato é que o impacto que este futuro trará para as criptomoedas privadas já existentes será incrivelmente positivo. Quem já estiver posicionado tende a ser dar bem, pois, futuramente, a corrida para elas em busca de proteção de riqueza e de privacidade será cada vez maior.

Para concluir

Em suma: com a abolição do papel-moeda, nenhuma transação ocorrerá em sigilo. Aqueles que quiserem manter sua privacidade e preservar sua riqueza — escapando das desvalorizações das moedas digitais estatais — terão de encontrar uma maneira de recorrer às criptomoedas privadas (inclusive as lastreados em ouro).

Tudo isso é também uma péssima notícia para os bancos, que serão sitiados pelos Bancos Centrais, pelas FinTechs e pelas criptomoedas já existentes. Eles irão continuamente perder seu papel no sistema financeiro.

Já as criptomoedas serão a proteção. Serão a reserva de valor.

Tudo está mudando e irá mudar cada vez mais rápido. Esteja à frente da curva.



autor

Raoul Pal
é o CEO do canal Real Vision, especializado em eventos macroeconômicos. Já foi chefe da divisão de hedge-funds do Goldman Sachs e co-administrador da GLG Macro Fund.

  • Yuri  22/10/2020 18:52
    Ótimo artigo. No Brasil apenas o Fernando Ulrich vinha falando sobre isso. Graças a ele já tinha me forte posicionado em Bitcoin.
  • Adriel  25/10/2020 16:53
    O Canal EconoFácil também fez um excelente vídeo sobre o assunto:

    www.youtube.com/watch?v=IQC92njPjVA&t
  • Casmurro  27/11/2020 12:43
    O Casando o Verbo vem falando sobre isso há anos, quando ainda tudo era tratado como teoria da conspiração...
  • Cristiano  22/10/2020 18:53
    O valor do Bitcoin e do ouro mostra que a corrida já começou.
  • Bernardo  22/10/2020 18:55
    O PIX seria algo nesse sentido?
  • Guilherme  22/10/2020 19:08
    É o primeiro passo:

  • Felipe  22/10/2020 19:30
    Evidentemente medonho, embora eu não fique muito surpreso. A tendência do estado é sempre crescer.

    O ouro em si não é hoje controlado pelo banco central, ao menos no Brasil, incluindo o ouro físico comprado de corretoras autorizadas e de forma legal?
  • Trader  22/10/2020 19:42
    O ouro físico, no Brasil, está ou na B3 ou em DTVMs (Parmetal, Ourominas etc.) ou no cofre de alguns bancos. Embora estas instituições sejam reguladas pelo BC, não há, legalmente, autorização para o BC confiscar esses ativos.

    Mas, de fato, o futuro está nas criptomoedas lastreadas 100% em ouro (com a Paxos). Quando você compra o token e envia para sua carteira, basta você digitar seu o endereço Ethereum para saber exatamente onde o ouro que lastreia aquele está guardado (normalmente é em um banco da Suíça):

    www.paxos.com/paxgold/

    Eu comecei a comprar Pax Gold recentemente (como comentei aqui) e vou fazer cada vez mais.
  • Caio Andrade  22/10/2020 21:22
    Estou "namorando" com esse ativo há mais de um mês. Pretendo entrar nele também.
  • Bitcoiner  23/10/2020 00:02
    Se você acredita em ouro, compre ouro físico.
    Se você quer se posicionar em ouro, compre título de ouro de país sério que ainda não tenha sido tomado pelo falido estado de bem estar social (ex: Cingapura).

    Não tem o menor sentido querer comprar uma criptomoeda atrelada a ouro, é literalmente o pior dos dois mundos.

    Quem acha que tem sentido usar blockchain com ouro não entende de fato o que é bitcoin e caiu no papinho mainstream (dos bancos) de que "o que importa é o blockchain", balela, blockchain é inútil sem bitcoin, totalmente inútil, caro e ineficiente. Blockchain sem bitcoin é um frankstein sem sentido.

    Não caiam nessa hype.

  • Trader  23/10/2020 00:11
    Poderia desenvolver melhor seu raciocínio? Por que uma stablecoin, que nada mais é do que um ouro tokenizado, "não tem o menor sentido" e é "literalmente o pior dos dois mundos"?

    Estou aberto a tudo.
  • Bitcoiner  23/10/2020 00:37
    A tecnologia do blockchain é uma tecnologia cara e ineficiente. Ela por si só não gera segurança e confiabilidade, essa é a ilusão. Quando Satoshi Nakamoto criou o bitcoin (existem inclusive, zero referências da palavra "blockchain" no whitepaper) ele criou uma rede, um protocolo com importantes aspectos de teoria dos jogos que garantiriam a segurança do seu asset, que é o bitcoin em si.

    Para a rede do bitcoin ser sólida ela precisa de diferentes componentes. Mineradores para garantir a prova do trabalho, bem como os nós para garantir a decentralização e auditoria da rede (como por exemplo, o supply de novos bitcoins que são gerados).

    O ativo, na rede do bitcoin, é o próprio bitcoin. É importante entender isso.

    --

    Agora vamos à paxgold. Quando você quer usar um token lastreado a ouro na rede do ethereum você está criando vários riscos. O primeiro deles é que você continua com o problema do intermediário, o ouro físico está em poder de alguma entidade e não com você (como é o caso do bitcoin).
    Segundo, a rede do ethereum apesar de ser a segunda mais famosa não é igual a do bitcoin, eles inclusive pretendem mudar de proof of work para proof of stake, uma mudança significativa que muitos acreditam que podem ter sérias implicações na segurança da rede, além disso, praticamente ninguém consegue ter um nó de ethereum. A rede do ethereum é portanto, uma rede extremamente mais centralizada e vulnerável do que a do bitcoin. Recentemente se teve um evento que os fãs do ethereum simplesmente não conseguia provar quantas ethers de fato existiam (abrindo espaço para inflação monetária não esperada no ether e etc).

    Ou seja, é uma rede experimental ainda, que mesmo eu achando que tenha alguns projetos interessantes, tem que se tratar com o máximo de cuidado. O bitcoin é hard asset, com a maior segurança computacional já criada na história da humanidade.

    Vale ressaltar também, que muitos enxergam bitcoin e altcoins como "ações" e não é assim que funciona. Quando falamos de segurança computacional, a tendência é que apenas uma rede se torne o padrão, pois ela irá "sugar" a energia e tempo dos "concorrentes". O bitcoin é exatamente igual a internet, sua rede sendo bem sucedida tornará inútil as demais.

    O que quero dizer. Quando se usa um criptotoken com underlying asset (como o paxos) você não está eliminando riscos, está na realidade aumentando eles.

    Porque, diga-me, não é mais fácil enviar dinheiro direto para o custodiante de Cingapura e ter o título em seu nome? Para que insistir em usar uma tecnologia mais cara e complexa para isso?

    Eu tenho ouro físico
    e eu tenho bitcoin.

    Pois esses são os dois ativos que estão, de fato, fora do controle estatal. QUalquer outra coisa é centralizada e portanto facilmente capturada.
  • Trader  23/10/2020 02:00
    "O primeiro deles é que você continua com o problema do intermediário, o ouro físico está em poder de alguma entidade e não com você (como é o caso do bitcoin)."

    Sim, esse é o único porém. No entanto, o ouro está custodiado em um banco na Suíça, e isso é auditado regulamente por empresas.

    Ademais, e eu juro que não quero entrar em polêmicas, mas se as pessoas aceitam um dígito sem nenhum lastro (BTC), por que rejeitariam um que tem lastro real em ouro?

    Em situação de tudo ou nada, se duas pessoas tiverem de transacionar usando apenas criptos, qual será que a pessoa mais leiga irá aceitar: um dígito ainda bastante volátil e sem lastro (BTC) ou um que é 100% lastreado em ouro?

    "Porque, diga-me, não é mais fácil enviar dinheiro direto para o custodiante de Cingapura e ter o título em seu nome? Para que insistir em usar uma tecnologia mais cara e complexa para isso?"

    Porque essa sua opção não me permite fazer transações econômicas. Uma criptomoeda permite (ver exemplo acima). Isso é meio básico, não?
  • Bitcoiner  23/10/2020 12:02
    Sim, esse é o único porém. No entanto, o ouro está custodiado em um banco na Suíça, e isso é auditado regulamente por empresas.

    E sua segurança jurídica, nesse caso, de ter o título diretamente com o custodiante é muito maior do que ter uma cripto que uma empresa diz que está guardado no custodiante. Você percebe que colocou mais um layer intermediário entre você e o ouro?

    Ademais, e eu juro que não quero entrar em polêmicas, mas se as pessoas aceitam um dígito sem nenhum lastro (BTC), por que rejeitariam um que tem lastro real em ouro?

    Mas o bitcoin não tem lastro porque ele é o lastro. Exatamente como o ouro. Qual o lastro do ouro?

    Em situação de tudo ou nada, se duas pessoas tiverem de transacionar usando apenas criptos, qual será que a pessoa mais leiga irá aceitar: um dígito ainda bastante volátil e sem lastro (BTC) ou um que é 100% lastreado em ouro?

    Ela irá aceitar o ativo que tiver mais liquidez. Sem dúvida nenhuma é muito mais fácil uma pessoa aceitar bitcoin do que um token em cima de uma altcoin qualquer.

    Porque essa sua opção não me permite fazer transações econômicas. Uma criptomoeda permite (ver exemplo acima). Isso é meio básico, não?

    Para ter transações econômicas a "criptomoeda" em questão precisa ter alta aceitação.
    Por isso que digo, se você quer estar posicionado em ouro para proteger seu capital irei continuar sempre defendendo primeiramente ter o ouro físico, e segundamente ir para instituições confiáveis em países sérios que irão guardar seu ouro. O terceiro elemento de colocar uma outra empresa que irá usar uma tecnologia experimental para lhe gerar esse título é um risco além do necessário (ao meu ver, se você quer ficar em dinheiro digital, pode ficar em bitcoin direto).
  • Trader  23/10/2020 15:52
    "Mas o bitcoin não tem lastro porque ele é o lastro. Exatamente como o ouro. Qual o lastro do ouro?"

    O ouro, além de ter uma história de mais de milênios de meio de troca e de reserva de valor, tem também várias utilidades práticas. É usado na indústria (metalúrgica, química), é usado como adorno (e a demanda por isso é constante), é usado na eletrônica.

    Já o BTC (do qual também sou grande entusiasta) não tem nenhuma dessas propriedades.

    No extremo do extremo, o BTC pode ir a zero (não visualizo isso, mas sempre há essa possibilidade). Já o ouro, sem chance.
  • Bitcoiner  23/10/2020 18:46
    O ouro, além de ter uma história de mais de milênios de meio de troca e de reserva de valor, tem também várias utilidades práticas. É usado na indústria (metalúrgica, química), é usado como adorno (e a demanda por isso é constante), é usado na eletrônica.
    Mas nada disso é lastro. O ouro é um lastro em si mesmo, assim como o bitcoin.

    Já o BTC (do qual também sou grande entusiasta) não tem nenhuma dessas propriedades
    Mas tem outras. Registro imútavel de contratos, segurança computacional, segurança energética. Não é porque você não veja a utilidade "física" de algo que não tenha valor. Um domínio de internet é um item puramente digital, escasso e tem valor.

    No extremo do extremo, o BTC pode ir a zero (não visualizo isso, mas sempre há essa possibilidade). Já o ouro, sem chance.
    Como assim? No extremo do extremo o ouro também pode ir a zero. Se tudo acabar ter bala vai ser muito mais útil do que ter ouro. Esses cenários extremos não concordo em ficarmos discutindo. O bitcoin é uma evolução natural do ouro para uma sociedade digital, trazendo propriedades e possibilidades que o ouro não têm como atender.
    Se você acabar com energia e internet o bitcoin acaba, mas também acaba toda a civilização moderna. Se este é o cenário que estás visualizando, então tenha muitas armas, isso sim.
  • Bruno  25/10/2020 01:06
    O outro extremo é a mineração marinha ou espacial fazer o ouro perder valor...

    É impressionante como nessa discussão situações extremas são levadas em consideração...
  • Imperion  26/10/2020 01:36
    Quando isso acontecer, o ouro virará objeto de consumo. Por ser muito caro, é utilizado pouco nos eletrônicos.

    Mas isso é pra um futuro distante. Atualmente é mais caro extrair minério espacialmente.

    Mas com robôs autônomos é possível colonizar locais só pra extrair minérios.

    Nesse caso, o ouro perderia o valor como metal, mas ganharia no uso dos eletrônicos ( objeto de consumo).
  • cmr  29/10/2020 12:25
    Criptomoedas são fiduciárias ao extremo, mas os adeptos tem resistência extrema em admitir isso.

    Dinheiro de papel, você pode acender um fogão de lenha com ele, exatamente como ocorreu na Alemanha após a primeira guerra mundial, e com o BitCoin ?, você faz o que ?.

    BitCoin é fiduciário ao extremo, não sei o motivo de tanta resistência em admitir isso...
    (virou religião, já é um dogma da bíblia dos bitconheiros isso)
  • Bitcoiner  29/10/2020 16:43
    Criptomoedas são fiduciárias ao extremo, mas os adeptos tem resistência extrema em admitir isso.

    Podemos falar do bitcoin. Criptomoedas é um termo muito amplo.

    [Dinheiro de papel, você pode acender um fogão de lenha com ele, exatamente como ocorreu na Alemanha após a primeira guerra mundial, e com o BitCoin ?, você faz o que ?.

    Sério que esse é seu argumento? Quer dizer então que uma moeda por ser impressa em papel automaticamente elimina que ela seja uma moeda fiduciária? Genial, então bolívares venezuelanos não são uma moeda fiduciária porque você consegue queimar o papel.
    Cada um...

    BitCoin é fiduciário ao extremo, não sei o motivo de tanta resistência em admitir isso...
    (virou religião, já é um dogma da bíblia dos bitconheiros isso)


    Você precisa argumentar de forma consistente. Se seu argumento é como o acima (pessoas queimando papel moeda para fazer fogueira) para definir o que é fiduciário e o que não é prefiro continuar na minha "resistência".

    Bitcoin é um ativo digital . Ativos digitais existem e são reais. Não é porque algo seja intangível que não tenha valor ou utilidade. Existe escassez digital, e não apenas com bitcoin, inclusive.
  • cmr  07/11/2020 05:28
    Sério que esse é seu argumento? Quer dizer então que uma moeda por ser impressa em papel automaticamente elimina que ela seja uma moeda fiduciária?

    Eu disse isso ?, onde ?.

    Você precisa argumentar de forma consistente. Se seu argumento é como o acima (pessoas queimando papel moeda para fazer fogueira) para definir o que é fiduciário e o que não é prefiro continuar na minha "resistência".

    Onde eu defini isso ?.

    O seu nível de interpretação de texto está sofrível, você é um caso de analfabetismo funcional.

    Releia novamente o que eu escrevi, treine mais a sua interpretação de texto.
  • Renato  27/11/2020 16:11
    Parabéns pela discussão pessoal. As diferenças de opiniões são válidas. Muito bom.
  • ACirilo  19/11/2020 00:08
    Excelente o nível da discussão. Só estou aqui pensando: o ouro já foi usado como lastro, mas um dia não foi mais., e ninguém pôde fazer nada a respeito. Este é um argumento bom em favor do BTC, na minha opinião.
  • Roberto Raimondo Junior  28/11/2020 01:01
    TRADER E BITCOINER, a discussão está de nível altíssimo e demonstra conhecimento profundo de vocês. Gostaria que me indicassem onde devo iniciar a aprender sobre crypto moedas e bitcoin.

    Não sei nem o que é Blockchain???.....Blockchain sem bitcoin???.....token???

    Mineradores??? para garantir a prova do trabalho, bem como os nós??? para garantir a descentralização

    Está na hora ainda de comprar Bitcoin? Como fazer isso?

    Como comprar ouro fora do Brasil? Tenho um pouquinho na Parmetal, mas não confio em empresas brasileiras. Queria comprar da Suiça, por exemplo, mas li vocês falarem de Cingapura também......
  • Bruno  25/10/2020 01:03
    Sempre haverá o problema do oráculo: a interface do mundo real com a blockchain pode ser corrompida.

    A blockchain serve como mediador apenas de tokens DIGITAIS, nativos da internet.

  • Felipe  22/10/2020 23:18
    Essas criptomoedas precisam declarar para a RF?
  • João Paulo  22/10/2020 23:29
    Em tese sim, mas só otário faz isso.

    economia.uol.com.br/imposto-de-renda/noticias/redacao/2020/03/05/ir-2020-negociou-bitcoins-no-ano-passado-precisa-declarar.htm

    Não há como isso ser impingido pelos governos.
  • Felipe  23/10/2020 00:03
    Não há como impingir? Os endereços e transações em Bitcoin são públicos e doações talvez entrariam nessa, já que basta a pessoa divulgar um endereço Bitcoin no nome dela. Bom, eu acho, não sei.
  • João Paulo  23/10/2020 00:08
    "Não há como impingir?"

    No Bitcoin não. Nas moedas digitais emitidas pelo estado sim, pois foram emitidas por ele e estarão centralizadas no BC.

    "Os endereços e transações em Bitcoin são públicos e doações talvez entrariam nessa"

    Os números de identificação das carteiras e suas transações estão registrados no site do Blockchain, mas é só. Ninguém sabe de quem é carteira, nem onde ela está e nem para quem a pessoa enviou ou de quem recebeu.

    Não dá pra fazer nada. Não tem como o estado tributar.

    Agora, na moeda digital emitida pelo estado, tudo isso será possível, pois, de novo, será algo centralizado, ao contrário do Bitcoin.
  • Antonio  23/10/2020 00:19
    As exchanges sabem pra qual endereço vc mandou e certamente irão informar ao Estado de forem obrigadas!
  • anônimo  23/10/2020 01:47
    "As exchanges sabem pra qual endereço vc mandou e certamente irão informar ao Estado de forem obrigadas!"

    Não. Você pode transferir criptomoedas de uma carteira para outra. Exchange nada tem a ver com isso.

    Exchange pode informar para onde você mandou seus reais. Mas, duh, certamente será para a sua própria conta bancária.

    No entanto, e esse é o ponto-chave que você não percebeu, se tudo for criptomoeda no futuro, então não haverá exchange. Exchange existe pra trocar a moeda fiduciária pela moeda digital. Sendo tudo digital, exchange perde a importância.
  • Skeptic  27/10/2020 02:37
    Provavelmente, o uso de criptomoedas que não a do estado serão proibidas ou fortemente reguladas.
  • Felipe  23/10/2020 00:31
    E quando a pessoa precisar trocar Bitcoin por moeda estatal para comprar algo que não aceita a criptomoeda?
  • anônimo  23/10/2020 01:50
    Certifique-se de ficar abaixo de R$ 25 mil por mês, pois é isento. No entanto, dado que a maioria das pessoas são hodlers, é raro alguém comprar BTC hoje para vender daqui a alguns meses. Seria amadorismo. BTC, como já disseram aqui, é para acumular e se proteger para o futuro. Não é pra especular.

    Mas, no futuro, com tudo sendo criptomoeda, exchange perderá a razão de ser. Exchange existe pra trocar a moeda fiduciária pela moeda digital. Sendo tudo digital, exchange perde a importância.
  • Luiz  24/10/2020 15:03
    É só a pessoa trocar o seus bitcoins com alguém que tenha a moeda sem usar intermediários, ou seja Peer-to-Peer.

    É bem comum imigrantes ilegais nos EUA que querem levar dólares para seu país de origem usar P2P, ele compra cartão presente de Bitcoin em alguma loja e depois manda a foto para alguém no seu país pelo Telegram ou Whatsappp que depois faz uma transferência bancária para os familiares dele em troca dos Bitcoins, para quem não tem documentos é muito mais rápido e barato.
  • Antonio  23/10/2020 00:18
    Se vc comprar no Brasil (PAXG vende no Mercado Bitcoin) a exchange fará a "gentileza" de informar à Receita por vc (não pq elas queiram, e sim pq a Receita as obriga)!!
  • Régis  22/10/2020 19:59
    Isso realmente irá acontecer em algum momento futuro. O fato de os bancos centrais dos países em desenvolvimento (como o Brasil) estarem cagando para suas moedas é apenas uma prova de que já estão com esse plano de digitalização — algo que, no futuro, em tese, irá corrigir esses desequilíbrios cambiais.

    Agora, em minha humilde e até ingênua opinião, acho que o Trump representaria um obstáculo a essa ideia globalista (até porque um cara como ele não gostaria nada de ver o dólar sendo abandonado sob sua presidência). É por isso que o establishment está insano e ensandecido, fazendo de tudo para tirá-lo de lá. A eleição dele foi totalmente imprevista, e sua reeleição certamente não está nos planos.
  • Humberto  22/10/2020 20:38
    Sim, esse grande Reset depende crucialmente de quem vai estar na Casa Branca. Por que você acha que as redes sociais e a grande mídia (que serão as grandes privilegiadas por esse arranjo) não só apoiam abertamente Biden como ainda censuram toda e qualquer notícia contra ele?

  • Skeptic  27/10/2020 02:41
    Por que o Trump representa isso se tudo que ele fez em relação ao Fed e ao presidente do Fed foi pressão para mais estímulo econômico?
  • Zilvio  22/10/2020 20:03
    Não faz sentido os bancos terem medo de calote já que os governos sempre acabam socorrendo os bancos. Se o dinheiro não chega na parte mais necessitada então tem algum problema com o intermediador mesmo.

    Que se destruam os bancos. Quem precisa deles ? No final o próprio Banco Central pode ter um canal direto com as pessoas por meio da moeda digital.
  • Alfredo  22/10/2020 20:34
    Falso. No Brasil, ao menos oficialmente, não é o governo quem garante o sistema bancário em caso de quebras, mas sim os recursos do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que é uma instituição privada e mantida pelos próprios bancos.

    Ou seja, no Brasil, os bancos sabem que, se forem imprudentes, é o próprio dinheiro deles que terá de ser usado para socorrê-los (o PROER da década de 1990 nada tinha a ver com o comportamento dos bancos, mas sim com a radical mudança do regime monetário, obra do próprio governo). 

    Bancos têm vários problemas e merecem inúmeras críticas, mas esta certamente não é uma delas. Informe-se melhor.


    P.S.: se banco não tem medo de calote, então por que eles não emprestam tudo para qualquer um? Já que se quebrarem está tudo garantido, então o que os impede de lucrarem ao máximo emprestando para todo mundo?
    Pela sua lógica, bancos odeiam lucrar…
  • Zilvio  22/10/2020 20:12
    "E é por isso que, neste cenário, ouro e principalmente Bitcoin irão se tornar a maneira de escapar deste sistema de perda de privacidade e destruição de riqueza."


    rsrsrs Isso...vai carregar ouro por aí. É cada ideia de jerico que esse site estimula.

    Se não for a moeda estatal, de nada adianta encher as burras de ouro e bitcoin. Ninguém vai aceitar isso como meio de pagamento.

    Bitcoin não tem segurança nenhuma...pode valer 60 mil reais hoje e zero reais amanhã. Quem será o imbecil a colocar todo seu patrimônio em bitcoin ? Sendo que o próprio Estado pode boicotar o bitcoin e proibi-lo em seu território da noite pro dia.

    Ouro... o grande fetiche dos libertário. Vcs ainda vivem no século XV !!!

    Pra informação de vcs o ouro nem sequer é um metal escasso... hoje se faz ouro em laboratório. Vc pode criar ouro tanto quanto o Estado cria dinheiro. Seus tolinhos...
  • Trader  22/10/2020 20:31
    "Bitcoin não tem segurança nenhuma...pode valer 60 mil reais hoje e zero reais amanhã."

    Falam isso desde 2009. Desde então, só sobe. Aliás, coloque seu dinheiro onde sua boca está: se vai pra zero, fique short. Se estiver certo, vai estourar de ganhar dinheiro. Se não o fizer, é incoerente.

    "Quem será o imbecil a colocar todo seu patrimônio em bitcoin?"

    Só eu conheço pessoalmente dois "imbecis": Daniel Fraga (que hoje é multibilionário) e um cara (cujo nome não seria correto revelar) que comprou R$ 5.000 em Bitcoin em 2009. Hoje, bilionário, vive no Panamá.

    Se estes são "imbecis", você é o quê?

    "Sendo que o próprio Estado pode boicotar o bitcoin e proibi-lo em seu território da noite pro dia."

    Explique detalhadamente como isso ocorrerá.

    "Ouro… o grande fetiche dos libertário. Vcs ainda vivem no século XV !!!"

    Disse a pessoa que nem sabe sobre criptomoedas lastreadas em ouro. Tecnologicamente você vive em qual milênio?

    "Pra informação de vcs o ouro nem sequer é um metal escasso... hoje se faz ouro em laboratório. Vc pode criar ouro tanto quanto o Estado cria dinheiro."

    Devo então imaginar que na cozinha da sua casa você fabrique ouro, certo? Já que é tão fácil assim ("Vc pode criar ouro tanto quanto o Estado cria dinheiro"), então você dever ter trilhões de barras de 1 onça em sua casa, certo?

    Se não tiver, é incoerente e odeia dinheiro.

    "Seus tolinhos…"
    A definição da ironia…
  • Humberto  22/10/2020 23:31
    Pra mim, o melhor exemplo aplicado de Bitcoin para o Brasil ainda é o que aconteceu com o Daniel Fraga. Ele fez um vídeo no YouTube criticando um juiz. Foi condenado. E aí, quando a justiça tentou extorquir dinheiro dele, encontraram apenas 15 reais na conta bancária dele. Todo o resto já estava em Bitcoin.
  • Guilherme  22/10/2020 23:38
    Eu lembro que ele começou a comprar BTC quando ainda custava centavos. Hoje, cada BTC vale 73 mil reais. O cara já deve estar bilionário.
  • ed  22/10/2020 23:52
    Alguém tem notícia dele?

    O endereço Bitcoin que ele divulgava no canal dele para doações era o 12gqLwGvuJfkHPH2jhrVgXRnEwqVmpF1E2

    Basta ver nesse link: www.youtube.com/watch?v=Xz3UaCk577I

    Indo no endereço blockchain.info/address/12gqLwGvuJfkHPH2jhrVgXRnEwqVmpF1E2

    vemos que, apenas nessa carteira, ele recebeu 3.91462637 BTC.

    Mas essa carteira era exclusiva para ele receber doações. Ele distribuiu a grana em diversas outras contas, o que dificulta o rastreamento. Esperteza da parte dele.

    Analisando a primeira transação dele nesta carteira dá pra ele ver que ele enviou para outras 392 carteiras.
    www.blockchain.com/btc/address/12gqLwGvuJfkHPH2jhrVgXRnEwqVmpF1E2?page=45

    Ou seja tá biliardário e verdadeiramente livre.
  • Regirock  23/10/2020 17:25
    Sempre me pergunto como deve ser o management de alguém que tem tantas criptos. Imagina a dor de cabeça de ter que lidar com 392 carteiras kkkkk. Será que ele não deve ter reagrupado isso em umas 5 carteiras diferentes pra facilitar? Também é interessante o fato de que ele nunca mais apareceu, será que pagou por uma identidade nova por ai em algum país mais desenvolvido?
  • Bruno  25/10/2020 01:16
    Uma única wallet pode conter diversos addresses, acessível por meio de 12 ou 24 palavras (ou o equivalente a uma senha)
  • Felipe  23/10/2020 00:04
    Pena que ele desapareceu. Será que realmente valeu a pena ele bater de frente com o estado?
  • Carlos Alberto  23/10/2020 00:12
    Depende de onde ele está e como está. Dificuldade financeiro e material ele não passa.
  • Skeptic  27/10/2020 02:49
    Meu lado mais pessimista suspeita que ele tenha sido roubado e assassinado. Ele se arriscava demais zoando policial e se expondo na internet.
  • Anônimo  26/10/2020 08:31
    O cara tem razão. O Estado pode sim proibir que pagamentos sejam feitos com Bitcoin no seu território. Não adianta se iludir e negar essa realidade. E então que grandes merdas vai ser possuir Bitcoin. Caras, entendam, esse fetiche de dar uma de "anti- Estado" é infantilidade. Convido-os a voltarem para o mundo real, ou vocês fatalmente irão se machucar e muito, mas muito feio.
  • Gustavo  26/10/2020 14:31
    Anotado. Obrigado pela genuína e abnegada preocupação. Achei comovente.

    P.S.: diga-me: exatamente como o estado o pode proibir transação via Bitcoin hoje?

    P.P.S.: como o estado irá proibir o uso de uma moeda digital se ele próprio está se encaminhando para adotar uma moeda digital?

    Pense um pouquinho antes falar…
  • Anônimo  27/10/2020 05:34
    Oi, Gustavo. Obrigado por responder o meu comentário. Sim, minha preocupação é honesta, porque tenho certeza de que as pessoas que escrevem aqui são pessoas de bem. Respondo sim à sua questão e com tristeza. O Estado vai fazer o óbvio: usar a famigerada violência, que sempre usou. Nessa altura, a solução é somente bélica.
  • Anônimo  28/10/2020 17:56
    Muito bem, crianças. Conforme irrefutavelmente demonstrado, podem usar criptomoeda, mas a do Bacen, combinado? Não sejam otários como o Daniel Fraga para não levar ferro desnecessariamente.
  • Trader  28/10/2020 18:36
    Daniel Fraga tem hoje, tranquilamente, em uma estimativa bem conservadora, uns R$ 6 milhões em bitcoins. Se, pela sua métrica, ele é "otário", estou curiosíssimo para saber suas façanhas.

    Money talks, bullshit walks.
  • Anônimo  28/10/2020 19:45
    Pra usar isso, é preciso estar vivo, sabidão de internet.
  • Trader  28/10/2020 20:10
    Você o matou?
  • Anônimo  29/10/2020 15:11
    Você me refutou?
  • Humberto  06/11/2020 20:36
    Daniel Fraga está de volta.

    livecoins.com.br/daniel-fraga-esta-entre-nos

    Vai ter anônimo aqui tendo de pedir desculpas...
  • Mizez  29/10/2020 15:17
    Sim, o Estado criará sua moeda digtal para obrigar você a usar somente ela. Se você teimar em usar outra, vai levar cacetada e cadeia, simples assim. Se você prefere, eu posso desenhar pra você.
  • Régis  26/10/2020 14:33
    "Caras, entendam, esse fetiche de dar uma de "anti- Estado" é infantilidade. Convido-os a voltarem para o mundo real, ou vocês fatalmente irão se machucar e muito, mas muito feio."

    Já aqueles que confiaram no estado e se mantiveram apegadinhos à moeda dele, como você manda, tomaram uma naba, e perderam nada menos que 40% do poder de compra no mercado global em 12 meses.

    Mas, óbvio, você sabe do que fala…
  • Realista  26/10/2020 18:53
    O estado tb pode proibir dólares. E daí?

    Isso não se trara de infantilidade "anti-estado" fora da realidade, isso é uma realidade factual que o governo brasileiro não tem poder para impedir o bitcoin, o máximo que pode fazer é dificultar para o brasileiro conseguir acesso a ele, e só.

    Agora o que me surpreende ainda é libertário, especialmente quem entende de escola austríaca, ainda permanecer em reais. Isso sim é infantil. Que tipo de criatura inocente acredita na utopia infantil de que políticos brasileiros não irão ferrar a moeda é que me deixa abismado.

    Não tem mais ou menos agora, isso já é guerra! O que está sendo falado aqui é para proteger você e sua família, não é mais brincadeira bicho. Caia na real.
  • Juliano  22/10/2020 20:46
    Na atual situação, ainda mais no Brasil, irresponsável e imbecil é ficar no real. Quem está no real empobreceu acentuadamente em termos globais e nem mais consegue acesso amplo aos bens mundialmente produzidos (política essa propositalmente feita pelo BC e pela Fazenda, com o ministro falando explicitamente sobre isso).

    Eu até entendo que um suíço, um alemão e um americano tenham alguma resistência a abandonar suas moedas e ir totalmente pro ouro, pro bitcoin e pra outros ativos. Agora, brasileiro? Qualquer coisa é melhor que a moeda nacional. Até mesmo grão de milho (pesquise os preços e surpreenda-se).
  • Neto  22/10/2020 20:51
    Mesmo franco suíço e euro também não fazem muito sentido. Os BCs suíço e europeu já estão com a taxa básica de juros (a Selic deles) negativa há muito tempo. Consequentemente, já há bancos (poucos, mas cada vez mais) cobrando juros dos correntistas. Você empresta dinheiro ao banco e ainda paga por esse "privilégio".

    Ficar na moeda é corroer o patrimônio.

    Os americanos ainda estão escapando, mas também chegarão lá.
  • Meirelles  22/10/2020 21:26
    Gráfico do valor do ouro e do bitcoin em reais, escala logarítmica. Bitcoin em azul, ouro em laranja.

    ibb.co/60dMz6d

    Imbecilidade é ficar na moeda nacional. Ainda mais agora, com juros reais negativos.
  • Marlon  23/10/2020 00:03
    O gráfico impressiona e é inquestionável, mas é sempre bom lembrar e enfatizar que ninguém deve comprar ouro ou bitcoin "pra ficar rico". Quem pensa assim é porque ainda não entendeu absolutamente nada da proposta, principalmente do Bitcoin. O BTC nunca foi criado pra enriquecer ninguém, mas sim para proteger o indivíduo da sanha estatal.

    Ficar nominalmente rico com o BTC e o ouro é simplesmente um efeito colateral das destruições monetárias praticadas pelo governo.

    A intenção não deve ser a de ficar rico, mas sim proteger o patrimônio contra o estado.

    No entanto, sim, por causa da interminável impressão de moeda feita pelos governos, o efeito inevitável é fazer os preços destes ativos subirem e, consequentemente, enriquecer seus proprietários. É um efeito colateral extremamente positivo, mas o qual foi causado por um grave mal: a destruição das moedas.
  • Antonio  23/10/2020 00:15
    Dá um google no nome do autor é verá q ele é um dos "imbecis q botam todo dinheiro em bitcoin"...
  • Ex-microempresário  23/10/2020 22:00
    "hoje se faz ouro em laboratório"

    É nesse nível que está o ensino de hoje em dia.

    Ele só esqueceu de dizer que o maior laboratório de produção de ouro fica em Wakanda, usando um catalisador de campos sub-espaciais construído com adamantium. A fonte de energia é um reator de anti-matéria comprado dos romulanos.
  • WMZ  23/10/2020 22:15
    É só bombardear com partículas alfa algum elemento com um número atômico menor do que o número do ouro. É assim que os elementos artificiais são criados (tecnécio e plutônio são os mais famosos)

    Há também a possibilidade de se criar ouro como um subproduto de uma fissão nuclear, ou seja, a partir de um átomo com um número atômico bem mais alto que se divide em 2 ou 3 átomos menores (um deles seria o ouro)

    Nos anos 80, um vencedor do Nobel conseguiu criar ouro a partir do chumbo (se não me engano)

    MAS é óbvio que o processo é extremamente caro e não compensa
  • Imperion  23/10/2020 22:26
    Sim, é possível transformar chumbo em ouro. Ao bombardear, ele perde três prótons. E vira um átomo de ouro. Vc gasta um milhão pra produzir mil reais de ouro. Não compensa.

    Também dá pra pegar um átomo de platina e adicionar um próton. Ele vira um átomo de ouro. Mas vc gasta bem mais do que o valor em ouro ganho. Por isso ninguém faz.

    E é por isso que não se inflaciona o ouro fabricando. 
  • Felipe  23/10/2020 22:46
    Dá para obter ouro também das peças de computador. Quem quiser se arriscar...
  • Imperion  24/10/2020 22:05
    Não é muito difícil, e tem outros elementos de valor alto pra vender. Mas as empresas só compram da máfia dos produtores grandes. O governo restringe as vendas de materiais extraídos em pequena quantidade e matam a reciclagem.

    O problema dos eletrônicos é o pouco ouro mesmo.
  • Heber  24/10/2020 04:03
    Ouro em laboratório? Vc sabe como a natureza cria esse metal??
    O ouro é um metal precioso, pois é raro e o homem está muito longe de conseguir produzí-lo, principalmente em laboratório.
    Nem as altas temperaturas e pressões do núcleo da Terra são capazes de formar o ouro. Apenas nós núcleos de estrelas, colisões de estrelas ou super-novas possuem essa proeza.
  • Caio Andrade  22/10/2020 21:18
    Excelente e, confesso, PERTURBARDOR artigo.

    Um futuro cada vez mais tenebroso para o mero homem trabalhador poupador se desenha à frente...
  • Estado máximo, cidadão mínimo  22/10/2020 21:59
    Cada vez mais o mundo encaminha-se pra distopia do 1984. Informações de qualidade e próximas da veracidade são raridade hoje em dia, imprensa totalmente enviesada. Ciência? O Covid escancarou toda a inépcia e canalhice dos cientistas do novo milênio. A apatia do povo diante de tudo isso simplesmente assustadora. E mais esse golpe agora. Fim de privacidade até mesmo quando você ir comprar pão na esquina. Assustador. Vamos ficar literalmente nas mãos de burocratas decrépitos...
  • Pedro U.  22/10/2020 22:19
    Essa ideia já vinha desde que perceberam que o Bitcoin funcionava (assim como todas as moedas digitais) e que o QE (afrouxamento quantitativo) não tinha efeito desejado. O Corona agora foi só o catalisador.

    Todo o esquema é uma espécie de Teoria Monetária Moderna em esteróides.

    Sem resistência (e não haverá), esse sistema começará já ano que vem (no Brasil, com o PIX). Aos poucos, mas exponencialmente, todos irão adotar. O papel-moeda físico estará abolido em no máximo 5 anos. E aí todo o sistema estará totalmente implantado.

    Pode anotar e cobrar.
  • Felipe  22/10/2020 22:34
    Acho que no Brasil deve demorar mais e isso ainda depende da aceitação da própria população. Tem ainda muita cidade interiorana onde é mais aceito o dinheiro vivo.
  • Pedro U.  22/10/2020 23:03
    Sim, também acho. Vai começar primeiro nos países lá de cima. O que vai ser ótimo, pois aí vai dar mais tempo para o pessoa aqui ir se adaptando e fugindo do sistema que virá.

    Só não acho que vai demorar tão mais tempo assim. Com o PIX, o grau de difusão da tecnologia e do conhecimento das pessoas sobre o assunto irá se acelerar. Se bobear, dá pra chegar aqui quase ao mesmo tempo que lá. Só não vai chegar junto porque no Brasil ainda há rincões em que não internet e nem smartphone. É isso que vai segurar.
  • Stark  23/10/2020 00:39
    O uso das chaves aleatórias e qr codes do PIX terá o positivo efeito colateral de ensinar o povo a como usar criptomoedas. A experiência do usuário é muito semelhante (obviamente, não a tecnologia subjacente!).
  • eugenio  22/10/2020 22:33
    "SISTEMA INOPERANTE"

    PODER NUNCADANTEZ CONCEDIDO AO GOVERNO.

    SOBERANIA PESSOAL VAI A ZERO!


    Cidadão tem PARCELA suas reservas sob seu poder, uma "microsoberania",se conservar almoça janta se quiser independente de governo.

    Na cripto estatal " NA HORA DO PAGA'tera que ter o AVAL do governo,que se quiser pode trancar,truncar,indisponibilizar e SALVE-SE QUEM PUDER se politizarem a fluidez : um partido x quer consumir,em determinado momento, é contra o governo e então dá "SISTEMA INOPERANTE"

    DEIXARA RASTRO NO CONSUMO,QUANTO,QUANDO,ONDE,PARA QUEM, isso interfere em relações comerciais, fontes,fornecedores, informações deste tipo valem dinheiro, as vezes muito e vazam a concorrentes etc...
  • Thiago  22/10/2020 23:58
    Inevitável o colapso do aparato estatal e suas moedas lastreadas em honestidade de politicos. O uso global de criptomoedas descentralizadas esta chegano a passos bem largos. Que eu esteja vivo para ver o estado perder suas forças.
  • Stark  23/10/2020 00:42
    Aguardo ansiosamente pelo dia q veremos a total separação da Moeda do Estado (como foi a separação da Igreja do Estado em séculos passados)!!
  • Daniel Alves  23/10/2020 03:22
    Patético.
    ouro pode ser criado em laboratório.
    Más a técnica exige bactéria especifica, em meio controlado, e utiliza como substrato cloreto de ouro.
    agora me responda, o cloreto de ouro vc vai extrair da onde? e porque utilizar o meio biológico para extrair o ouro, se eu poderia utilizar o meio eletroquímico que é mais barato?
  • Luiz Henrique  23/10/2020 11:12
    Olá companheiros, me tire uma dúvida a respeito do Bitcoin. Eu posso comprar bitcoin ou bitcoin fracionado em corretoras brasieliras - Mercado Bitcoin etc - e transferir para a carteira no blockchain, ou é melhor comprar direto do blockchain?
  • Marcos  23/10/2020 16:09
    As duas coisas. A primeira alternativa é mais barata. Mas é segunda tem a vantagem de não precisar do sistema bancário (utiliza-se cartão de crédito).
  • hodler2020  23/10/2020 20:59
    Luiz Henrique, a resposta é sim, mas, ao invés de deixar seus bitcoins na blockchain.info, eu sugiro usar uma carteira que te dê controle das suas chaves privadas. Por exemplo, para Android tem a Samourai e para desktop, a Electrum.
    BitcoinTrade, Walltime ou Foxbit são opções melhores que Mercado Bitcoin também.
  • Luiz Henrique  26/10/2020 13:17
    Na corretora "BITCOINTRADE", há a possibilidade do governo saber que eu tenho bitcoin? Se sim, qual alternativa é mais viável para possuir bitcoin de forma anónima?
  • Realista  26/10/2020 18:50
    Passando pelo sistema bancária é impossível conseguir bitcoin de forma anônima.
    A única mandeira de fazê-lo é você
    - trocar cash por bitcoin (com alguém que esteja disposto a fazer isso com você)
    - trocar bens e serviços por bitcoin.

    Uma outra maneira de tornar difícil o rastreo pelo governo brasileiro é você fazer uma remessa e comprar bitcoin no exterior em uma exchange lá fora (ex: bitstamp). Mas aí você terá registrado sua remessa perante o banco central.

    No entanto,
    O ponto não é o que você declara ou não declara de bitcoin. Isso não é o mais relevante.

    O importante é você sair do legacy. A principal forma de financiamento do estado é a inflação monetária, só o simples fato de você ir para bitcoin (ainda que "legalmente") você já ataca o âmago da máfia.
  • Skeptic  27/10/2020 02:55
    Comprar direto da blockchain? como assim?
  • Estado máximo, cidadão mínimo  23/10/2020 16:14
    Estava cá pensando com meus botões esse arranjo poderia levar aos seguintes cenários.

    1. Com o fim da privacidade financeira, obviamente que o estado vai estar habilitado a incluir e excluir quem quiser do sistema ou manipulá-lo. Logicamente, e ainda mais se a renda universal for implementada, a inflação será a nova hidra a ser atacada, já que não haverá mais mercado informal, pelo menos nas intenções dos governantes.

    Será bem provável que em pouco os governos comecem a estipular margens "aceitáveis" de lucro nos empreendimentos. E poderão ir além: suspenderem do sistema qualquer um que não quiser se enquadrar e não cumprir com normas verdes, dar emprego para "minorias", entre outras coisas.

    Além disso agora a política de salário mínimo e tributação de renda será universal, mesmo para aqueles que jogaram sua carteira de trabalho no lixo para ganhar mais trabalhando informalmente. Haverá grande pressão, descontentamento por grande parte da população e muita gente deixando de trabalhar e empreender.

    2. Isso levará a países fora do radar desses grandes centros que até poderão trabalhar com moedas digitais, mas sem imposição de um banco central estatal. Bem provável que estes atraiam grandes levas de pessoas que queiram fugir do sistema centralizado e levar suas vidas da maneira que bem entenderem. Esse cenário até já foi abordado pelo Daniel Altman em "O futuro da economia", sobre ilhas de mercado negro financeiro e novos conjuntos de eixos de estilo de vida.
  • Fernando  23/10/2020 17:02
    Sim para os dois itens.

    Dependendo de qual seja o governo do momento, qualquer pessoa que não se enquadrar no sistema — e "sistema" significa qualquer que seja o conjunto de ideias vigentes, principalmente o politicamente correto — poderá ser marcada e, com isso, financeiramente punida.

    Moeda poderá ser subtraída de sua carteira caso este indivíduo não se conforme às ideias vigentes, caso seja um rebelde. Poderá também ter serviços negados.

    O incentivo à produção também será reduzido. Se um indivíduo pode ser premiado simplesmente por demonstrar submissão às ideias vigentes, ele não terá por que empreender ou trabalhar.

    Não estou dizendo que tudo isso irá acontecer. Estou dizendo, isso sim, que tal arranjo será tecnicamente possível.
  • brunoalex4  23/10/2020 18:12
    Isso se assemelha ao Livro do Apocalipse, da Bíblia...
  • Bruno  25/10/2020 01:32
    Nossa... se for pensar bem é muito mais que isso. Governos poderão impor comportamentos sociais que estimulem suas métricas loucas.

    Quer reduzir as filas do sistema de saúde universal? É só começar a proibir a negociação de doces e guloseimas a determinadas pessoas (suposto "grupo de risco" como diabéticos) !

    Quer aumentar a velocidade monetária? Ok, imponha data de validade para os créditos em carteira. "João, para o bem de todos vc tem que usar seus créditos nesses endereços listados até o dia X
    Depois dele, seus créditos valerão zero".

    "Pedro, notei aqui que vc se comportou mal e não respeitou nossa política de inclusão social gender-fluid. Vc devera comparecer a um curso de reprogramação social para então ter acesso novamente a seus créditos "
  • weberth mustapha  23/10/2020 17:00
    ''o que veio primeiro, o ovo ou a galinha''.
    Esse vírus, sua pandemia (histeria), as medidas absurdas adotadas, os efeitos fizeram surgir todo tipo de medida autoritária e absurda dos governos. Praticamente estamos vendo diante dos olhos, coisas que só fundamentalistas religiosos e fóruns undergrounds da net diziam, sobre governo mundial, conspiração, um futuro distópico onde o governo controla absolutamente tudo.
    Talvez seja consequência do vírus, ou o vírus já foi pensado para isso, mas os planos que a agenda global impôs irão em maior ou menor medida alterar radicalmente nosso modo de vida.
    O que é mais incrivel foi a facilidade com o que o povo comprou o discurso de pandemia, de medidas necessárias para conter o vírus, etc..
    É triste, o povo perdeu completamente o conceito de privacidade, de liberdade. Acho que a maioria nem liga.
    Amigos meus, pessoas que converso nos bares, na rua, aceitam já o que é. Para elas, se fechar de novo, tudo bem, logo passa. Desde que daqui uns 5 meses reabra.
    ""Fazer o que. né?'', é o que mais escuto.

  • Humberto  23/10/2020 17:10
    Sim. Qualquer um que analise de fora, sem paixões políticas e ideológicas, e que saiba juntar as peças, consegue entender a big picture.

    Lockdowns são forçados sobre a população não porque funcionem ou porque sejam cientificamente corretos. Mas sim porque são exatamente a medida que mais acelera a adoção deste Grande Reset.

    Grande Mídia e Redes Sociais apoiam tudo isso e suprimem qualquer dissidência porque sabem que terão muito a ganhar no futuro arranjo. A Grande Mídia será essencial para convencer a população de que tudo está correto e tudo está sendo feito para o bem dela. Em troca, receberá grandes agrado$ do establishment.

    Por enquanto, as únicas peças fora do quebra-cabeça, e que não foram previstas pelo establishment, são Trump e, em menor medida, Bolsonaro. Daí todo o ódio.

    Boris Johnson também aparentava ser, mas já foi devidamente domado.
  • weberth mustapha  23/10/2020 17:35
    Do Bonoro restou só algumas publicações certeiras. De restou, foi domado pelo centrão, nem a vaga do STF, onde realmente ele poderia indicar alguém mais conservador, ele fez. #fechadocomcentrão
    Trump realmente parece ser uma peça contra um plano global de governança. Mesmo que ele não seja um liberal, mesmo que ele nunca tenha lido Mises, ainda é uma pedra no sapato.
    A pressão lá nos EUA está grande, alguns Brasileiros que moram lá dizem estar recebendo pressão para NÃO votarem no trump. Veja bem, não é sobre votar nos democratas, mas sim, não votar no Trump.
    Eu penso, se Trump ganhar, vai ser até pior. A esquerda vai radicalizar ainda mais, não vão aceitar a eleição, vão anarquizar o país mais ainda e vão querer mudar o método de votação.
    Igual ao Chile, onde a esquerda está aterrorizando o povo para votarem essa nova constituição socialista.

    No fim, como a velha frase dizia : " A democracia é o caminho para a bárbarie''.
  • Skeptic  27/10/2020 03:00
    Olha o que o analfabetismo científico faz com as pessoas....
  • Ivan  23/10/2020 18:31
    Banco Central da Rússia poderá testar rublo digital até o fim de 2021

    www.moneytimes.com.br/banco-central-da-russia-podera-testar-rublo-digital-ate-o-fim-de-2021/
  • Andre Couto  23/10/2020 19:24
    Alguém poderia explicar essa frase?

    Vale enfatizar que, no arranjo atual, em termos puramente contábeis, para o Banco Central criar moeda, ele tem de comprar um título do governo (ou um título privado). Ou seja, a criação de moeda tem como contrapartida a compra de uma dívida que vai para o balancete do Banco Central. Com uma moeda digital, isso acaba. A emissão de uma cripto-moeda não gera nenhuma contra-partida contábil. Ao contrário da moeda fiduciária, que representa um passivo para o Banco Central, a moeda digital não é passivo de seu emissor.

    Da onde foi tirada essa informação de que essa possível moeda digital não será um passivo para o BACEN?
  • Contador  23/10/2020 20:22
    Isso é o básico sobre moedas digitais. Elas não são passivo de ninguém. O emissor cria a moeda, transfere, e fim. Ele não tem mais nenhuma obrigação em relação a ela. Ele não tem mais nenhum passivo. E nenhum ativo. O portador desse dígito não tem por que voltar ao emissor para exigir qualquer coisa.

    Já no formato atual das moedas físicas tradicionais, a moeda emitida é contabilmente um passivo do BC. Em termos puramente contábeis, para o BC entregar moeda a alguém, ele tem de receber algo em troca (normalmente, um título público). Ele recebe um ativo (títulos) e cria um passivo (a moeda emitida).

    Funciona assim tanto nas operações convencionais de expansão monetária, quanto nas operações compromissados.

    De novo: sempre que o BC adquire um ativo, ele tem de criar um passivo.  O ativo é o papel que ele comprou criando moeda; o passivo é justamente a moeda que ele acrescenta na conta da pessoa ou instituição de quem ele comprou o ativo. 

    E o crucial: o portador do dígito eletrônico tem o direito de exigir do BC a restituição deste dígito em papel-moeda.

    Ademais, em termos não-contábeis, a moeda também é um passivo para o BC porque este não apenas tem a obrigação de trocá-las quando houver desgaste (destruindo cédulas antigas e mandando emitir novas), como também tem a obrigação de restituir este dígito em papel-moeda caso o portador demande.

    Já com moedas digitais nada disso é necessário. O emissor não tem de comprar nenhum ativo. E o dígito emitido não é seu passivo. Ninguém pode enviar um dígito ao emissor e exigir algo em troca. Não há nenhuma restituição a ser feita. Não há nenhum passivo a ser quitado.

    Por fim, se quiser uma resposta técnica para a sua pergunta, explicando por que moedas digitais não passivo do seu emissor, talvez este paper do Banco da Basiléia seja do seu interesse:

    www.bis.org/cpmi/publ/d137.pdf
  • Regirock  24/10/2020 01:12
    Alguém pode indicar uma carteira de cripto de confiança? Li que a TrustWallet é bem conceituada mas pelo que entendo dessas carteiras vc tem que confiar que os desenvolvedores não tem acesso ás chaves geradas. Para fazer holding seria melhor uma paper wallet?
  • Celso  25/10/2020 01:07
    Por dúvidas como essas que eu não confio muito na criptomoeda. Não tem nem uma carteira confiavel.
    Hackearem sua conta no banco o banco devolve dinheiro. Se fazem isso com sua conta cripto não tem pai bem mãe
  • Luiz  01/11/2020 05:24
    Eu particularmente uso a Wasabi por questão de privacidade. Sobre a confiança, é bem difícil essas carteiras (as populares, óbvio) armazenarem sua chave, até pela questão jurídica mas se você estiver desconfiado é só usar uma de código aberto e ler a análise de algum programador sobre ela, é o famoso "não confie, verifique" mas a chance de te roubarem sem ser por algum malware é quase nula.
  • Bruno Giovani Rossi  24/10/2020 02:16
    O que acontece se o governo faz uma lei onde é proibido o uso do Bitcoin, com pena de 7 anos sem fiança. Será que o Bitcoin resistiria a isso e as pessoas aceitariam o risco? Os Bitcoin são valiosos porque as pessoas estão dispostas a trocá-las por bens e serviços, incluindo dinheiro tangível. Mas com uma proibição e pena pesada, creio que o sistema se implodiria. Quem aqui continuaria comprando/ aceitando Bitcoin correndo o riso de ser preso?
  • Victor  24/10/2020 03:05
    1) Como isso ocorreria? Como seria impingido?

    2) A partir do momento em que o próprio governo parte para a digitalização, torna-se impossível ele proibir que outras moedas digitais sejam usadas. Isso é básico.

    3) Se eu e você trocamos Bitcoins, não há como o governo saber.
  • Ressabiado  24/10/2020 15:00
    Achei as dúvidas válidas. Sabemos que o governo meio que pode proibir qualquer coisa que ele quiser, só olhar o absurdo que foi esse ano de 2020. Pra ele dizer que transacionar bitcoin é tão grave quanto tráfico de drogas, armas, ou qualquer contrabando, não precisa muito. Os métodos pra saber quem está aceitando Cripto em suas vendas dá pra imaginar.. Denúncias, agentes à paisana. Infelizmente acho que tem como sim. Tomara que não chegue a esse ponto
  • Fernando  24/10/2020 21:47
    Agentes à paisana para barrar o Bitcoin? Como assim, meu bom?
  • Bruno  25/10/2020 01:40
    4. Seria improvável todos os governos do mundo, em uníssono, proibirem o bitcoin. Se um governo proíbe, os detentores de bitcoin correm para outra jurisdição em q ele é permitido. Como era na Suíça.

    5. A proibição sim tem um efeito negativo no preço no curto prazo... mas no longo, por empiria, só sobe. Drogas e bebidas são um exemplo. O bitcoin já é proibido em alguns países .
  • Skeptic  27/10/2020 03:07
    Se um governo tiver uma criptomoeda estatal, ele terá o conhecimento total sobre as transações tornando-se fácil proibir ou regular exchanges, ou qualquer forma de mercado informal. Meios existiram para burlar tudo isso, sempre tem um jeito, mas talvez sejam inacessíveis para o cidadão comum.
  • Really?  24/10/2020 13:30
    O que acontece se o governo faz uma lei proibindo o uso e comercialização de drogas, com pena de 7 anos sem fiança? Será que as drogas resistiam à isso e as pessoas aceitariam o risco? As drogas são valiosas porque as pessoas podem comprá-las no mercadinho e na farmácia . Mas com uma pena e proibição pesada, creio que não existiriam mais drogas. Quem continuaria comprando / vendendo drogas correndo o risco de ser preso?
  • Luiz  24/10/2020 14:48
    Isso já acontece em alguns países africanos e na Rússia, não mudou absolutamente nada, no máximo ficam enchendo o saco das exchanges.
  • Emerson Luis  25/10/2020 03:28

    Governos não toleram concorrência.

    Farão de tudo para impedirem seus servos de usar criptomoedas privadas.

    * * *
  • Fritz inteligente e educado  25/10/2020 15:52
    É galerinha, a recente ascensão da direita e das ideias liberais clássicas / libertárias está acabando com a qualidade do sono dos burocratas ao redor do mundo. Mas eles é claro, não estão dispostos à deixar barato, seguidas as recentes tentativas por parte da elite política Americana de "regulamentar" (aka proibir) o uso de criptografia de ponta à ponta (como a usada pelas criptomoedas, aplicativos de mensagens instantâneas e até mesmo o acesso à sites que usem o protocolo HTTPS) que graças à Deus não vingou, a elite burocrática da URSE (União da Repúblicas Socialistas Europeias, conhecida popularmente por União Europeia) adorou a ideia e quer implementar por lá, sobre o lindo pretexto de "combater o abuso infantil e o crime organizado", como se essa turminha ligasse pra essas coisas.

    www.medianama.com/2020/09/223-european-union-backdoor-end-to-end-encryption/

    www.eff.org/deeplinks/2020/10/orders-top-eus-timetable-dismantling-end-end-encryption

    Ou seja, estamos diante da possibilidade real de que governos tornem obrigatório o uso de backdoors em dispositivos eletrônicos, 1984 é logo ali...

    Agora dado isso e o que o que o colega "Estado máximo, cidadão mínimo" expôs em seu comentário e a cada vez mais assustadora extremização da esquerda, usar ferramentas de privacidade se torna cada vez mais importante, sendo assim vou postar novamente um comentário sobre as ditas que postei em outro artigo, vamos lá:

    1º:

    Se puder, use o navegador Mozilla Firefox em sua versão mais recente, este além de ser um projeto 100% Open Source (Ou seja, se for inserido algum backdoor ou coisa do tipo é questão de tempo para que alguém, fuçando ou mexendo no código perceba isso e anuncie publicamente) conta com uma ferramenta que para mim é genial, que é chamada simplesmente de "proteção contra rastreamento".

    Funciona da seguinte forma: Vários sites que você visita executam os chamados rastreadores, que basicamente mandam relatórios sobre a sua atividade neste site para empresas interessadas (Google, Facebook, etc.), é dessa forma que você, após visitar por exemplo o site da livraria Saraiva mesmo sem fazer login abre o seu Facebook e o mesmo te enche de propagandas da Saraiva, de produtos que você viu. Hoje tal sistema é usado majoritariamente para gerar propaganda direcionada, mas pode e provavelmente vai ser usado no futuro para fins muito piores.

    Pois bem, a ferramenta em questão simplesmente bloqueia a execução destes rastreadores, em teoria impedindo o envio de tais relatórios de navegação.

    Não sei dizer até onde isso de fato dificulta que tais empresas xeretem a sua vida online, porém antes, quando eu usava o Chrome, sempre que eu pesquisava algo em alguma loja online por exemplo e depois abria meu Facebook, propagandas dela estavam por todo lado, mesmo sem que eu tivesse feito login na loja. Desde que eu passei a usar o Firefox com esta função ativada tal coisa nunca mais ocorreu, e hoje todas as propagandas que aparecem pra mim são de coisas que eu jamais pesquisei e não tenho interesse, o que me leva à pensar que funciona.

    Após instalado, proceda da seguinte maneira:

    -> Abra as preferências;
    -> No canto esquerdo selecione "Privacidade e Segurança";
    -> Na parte "Proteção aprimorada contra rastreamento" selecione a opção "Rigoroso";
    -> Na parte "Enviar aos sites um sinal de "Não rastrear"" selecione a opção "Sempre";
    -> Na parte "Permissões", para cada um dos itens clique em "Configurações" e cheque a opção "Bloquear novas solicitações de permissão para..." (Caso venha à precisar de algum destes itens e não funcionar, desmarque a opção ou adicione uma exceção);

    Além disso eu também recomendaria instalar a extensão "HTTPS Everywhere" e nela ativar a opção "Criptografar todos os sites elegíveis".

    Obs: Acredito que alguns outros navegadores já contam com ferramentas parecidas, se você sabe de algum por favor compartilhe conosco.

    2º:

    Sempre que for acessar, publicar, etc, conteúdos considerados "de direita", "ofensivos", e aquela palhaçada toda eu recomendo usar uma VPN e evitar à todo custo fazer algo que possa lhe identificar, ou faça como eu, use o navegador TOR, disponível em torproject.org, ele é basicamente o Firefox que mencionei no item anterior, porém este ao invés de acessar a Web de forma tradicional, despacha todo o tráfego através da chamada rede Tor ou rede Onion, sempre que você acessa um site o navegador envia a requisição para uma outra máquina chamada de "relê", este por sua vez passa para outro relê, e para outro, e este por sua vez acessa o servidor do site e retorna o mesmo pelo mesmo caminho até chegar na sua máquina.

    Cada vez que você acessar o mesmo site o caminho escolhido será diferente, com isso é impossível que o servidor acessado saiba quem de fato o está acessando, ele tem o endereço IP do relê de saída, mas não o de quem de fato está requisitando o conteúdo. Além disso esta rede ainda conta com camadas extra de criptografia, no final, nem mesmo o seu provedor de internet consegue ver o que você acessa, o máximo que consegue é saber que você está utilizando o navegador Tor.

    Além de tudo isso este navegador permite também que você acesse uma parte da Deep Web, mais especificamente os sites terminados em ".onion".

    Para as configurações, recomendo as mesmas do item anterior.

    Obs: Vale mencionar que o Tor, assim como o Firefox, é um projeto 100% Open Source.

    3º:

    Este é mais complicado para muitos usuários, mas se puder, use Linux, digo isso pois o Windows 10 envia dados sobre todas as suas atividades no PC para a Microsoft, mesmo que você desative isso nas configurações. O Linux por sua vez é 100% Open Source, várias distros são 100% comunitárias (Não há nenhuma Big Tech envolvida diretamente no seu desenvolvimento), bem fáceis de usar mesmo para usuários leigos e uma boa parte dos programas famosos do Windows ou possuem ou versões para Linux ou similares Open Source.

    4º:

    Nas redes sociais se você já tiver uma conta, mantenha-a, mas deixe de seguir qualquer página ou grupo que fale sobre algo que o "beautiful people" não aprova e use-a para assuntos não relacionados à política, e em paralelo crie uma conta fake que então pode ser usada para acessar tais grupos e páginas. Se você for meio paranoico como eu, crie e acesse a conta fake usando uma VPN ou mesmo o navegador Tor (O facebook possui inclusive um endereço oficial na rede Onion, facebookcorewwwi.onion).

    Fazendo isso você continua podendo acessar conteúdos "polêmicos" sem se comprometer ou ser exposto como "extremista de direita" ou algum destes rótulos patéticos.

    5º:

    Para e-mails pessoais que contenham algo potencialmente comprometedor, utilize um dos vários serviços anônimos e criptografados disponíveis por aí, o mais famoso deles é o Proton Mail (protonmail.com/pt/), mas há vários outros, inclusive na Deep Web.

    Obs: O Proton Mail, além de poder ser acessado pelo Tor, não exige qualquer comprovação de identidade, sendo assim da pra criar uma conta 100% fake sem muita dor de cabeça.

    6º:

    Evite, à qualquer custo, revelar de forma pública onde você trabalha e/ou estuda ou mostrar colegas e chefes na internet (Em perfis públicos de redes sociais por exemplo), digo isso pois há vários casos em que as hordas do cancelamento "punem" alguém que discorda deles pressionando a empresa onde este alguém trabalha à demiti-lo, e quando a empresa não acata eles a expõe dizendo que ela tem "fascistas" em seu quadro de funcionários e que a mesma "incentiva violência" ou qualquer lixo desse tipo.

    Enfim, mesmo seguindo todos estes passos você não estará totalmente protegido, mas qualquer coisa que possa ser feita para dificultar a vida do grande irmão e seus "zumbis canceladores" é muito bem vinda nos dias de hoje. É realmente triste como a internet, talvez a maior revolução tecnológica e social jamais vista na história da humanidade tenha se tornado tão tóxica e potencialmente perigosa.

    No mais, quem souber de mais dicas nesse sentido, peço que compartilhe conosco.
  • anônimo  01/11/2020 23:59
    crie uma maquina virtual - opçao : www.virtualbox.org/

    rode o kali linux nela - www.kali.org/

    se voce gosta do firefox (é o que eu uso) instale o ublock origin - addons.mozilla.org/en-US/firefox/addon/ublock-origin/

    na config do ublock "listas de filtros" existem varios scripts prontos (easy list e fanboy annoyance sao essenciais)

    voce ainda pode usar o campo "meus filtros" para adicionar scripts proprios, ex, adicionar:

    *paywall

    impede que qualquer script que faça referencia ao termo "paywall" seja executado

    no firefox digite na barra de endereços - about:config

    pesquise as chaves que tiver interesse, ex:

    geo.enable = false // desabilita a localizaçao para alguns recursos (existem varias formas de descobrir a localizacao, essa desabilita o report do navegador)

    dom.webnotifications.enabled = false // impede toasters de notificaçao chatos pra p*

    privacy.donottrackheader.enabled = true // desabilita a resolucao do cabeçalho dos pacotes de redes (uma das formas de tracking)


    para conversas no celular use o wickr me - play.google.com/store/apps/details?id=com.mywickr.wickr2&hl=en&gl=US
    fuja do telegram e afins

    para enviar arquivos com conteudo sensivel use um conteiner com criptografia - www.northeastern.edu/securenu/sensitive-information-2/how-to-use-7-zip-to-encrypt-files-and-folders/

    ainda no windows 10 voce vai querer desabilitar a telemetria criando uma chave de registro, descrito aqui : winaero.com/how-to-disable-telemetry-and-data-collection-in-windows-10/


    pelamor de vishnu nao use VPN para operaçoes financeiras e dados importantes, VPN é apenas um tunel por um computador de outra pessoa/empresa, nao existe metodo 100% anonimo, a internet é um conjunto de nós e não uma entidade única, para entender os riscos leia sobre MITM : en.wikipedia.org/wiki/Man-in-the-middle_attack

    a rede cebola (onion network ou apenas TOR) é uma rede ponto-a-ponto (p2p) , isso quer dizer que nao existem servidores, se nao existem servidores nao existem logs das paginas , quem as acessa etc, mas isso nao significa que um ponto nessa rede nao possa ser identificado, o flash player (que esta sendo aposentado) é um que possui vazamento de protocolo e permite identificacao, apesar de nao haverem servidores para as paginas toda entrada e saida de pacotes de rede ficam registradas no seu provedor de serviços, por isso que em brasilia querem responsabilizar criminalmente provedores, pois é uma das formas de conseguir os dados de um usuario numa situaçao dessas

    o torrent eh uma rede de compartilhamento ponto-a-ponto e o que nao falta no mundo sao pessoas sendo processadas por compartilhar filmes etc entao ja fica claro que p2p nao significa segurança, o que muda é a dinamica

    outra dica geral é : nao ponha fotos suas no facebook e qualquer outro endereço / app que permita reconhecimento facial, a propria microsoft discute o uso dessa tecnologia (o "faceapp" serviu pra coletar rostos e aperfeiçoar a IA para ser usada pra outras coisas, apesar de disfarçada de entretenimento) : qz.com/1905159/microsoft-is-shaping-facial-recognition-bills-across-the-us/

    para informaçao adicional ler sobre sistemas de vigilancia em massa como o PRISM : en.wikipedia.org/wiki/PRISM_(surveillance_program)

    ha muito eu brinco com amigos proximo que precisamos de uma nova internet pois a atual esta completamente viciada, existem alguns estudos como o HORNET que buscam soluçoes (e usa infraestrutura atual, ou seja, nao precisaria refazer a tecnologia) : arxiv.org/abs/1507.05724

    impossivel escrever tudo em um comentario, mas da pra ter uma ideia do tamanho do buraco
  • Luiz  02/11/2020 15:52
    Olha não acho que faça muito sentido um usuário médio usar o Kali, até porque ele não foi feito para manter o anonimato ou privacidade e sim para fazer testes de segurança em sistemas, usar ele para isso não faz o menor sentido a não ser que você trabalhe na área.

    Se a pessoa realmente estiver em algum lugar que a censura seja forte o certo é comprar um pendrive e instalar o tails nele por que isso força a navegar apenas pela rede TOR e depois que sai ele se auto destrói . Só que para o cidadão médio que apenas gosta de ter privacidade e anonimato sem precisar se tornar um Snowden da vida seria mais fácil ele apenas usar o Whonix ( www.whonix.org/ ) em uma máquina virtual que configura automaticamente também o tor e criptografa toda a sua informação porém não destrói os seus arquivos.

    Mas só um adendo para quem estiver lendo: Não existe anonimato total na internet, se o governo rastrear os relés que você está usando no TOR ou ele próprio capturar um dos servidores para monitorar o tráfego ele consegue saber aonde a pessoa está, é muito improvável isso acontecer já que é extremamente caro, dá ultima vez que vi eles precisaram de mais de 5 milhões de dólares e a cooperação de diversos países só para capturar um pedófilo que fazia isso mas é totalmente possível.
  • anônimo  02/11/2020 22:16
    mais completo fica com a contribuição de mais pessoas

    não tem como saber o que um certo usuário tem instalado no computador dele, mais fácil usar uma máquina virtual com um sistema liso pra navegar do que ficar garimpando para desativar manualmente no sistema original

    um pacote de rede com range:porta especifico já pode ser o suficiente pra identificar o tipo de conteúdo, e o conteúdo pode ser quebrado se usar uma hash fraca, a NSA tem a chave-mestra de varios serviços, o do telegram foi o próprio criador da plataforma que forneceu

    não precisa estar usando um navegador para ter dados coletados / rastreados, o defender é um que reporta o que você está fazendo e a partir do w10 não dá para desativar totalmente, ele vai olhar cookies, cache, temporários, firewall, o que foi carregado na memória

    a adobe e google instalam serviços de telemetria, basta usar qualquer app deles que fica ao menos um serviço rodando permanentemente

    quem usa sistema bancário a maior chance é ter o warsaw que monitora o que você faz ou deixa de fazer no computador que nada tem com o seu acesso ao internet banking

    tem apps , como os de suporte a texto / tradução / emoji, que coletam o que a pessoa digita e ela nem percebe o que está acontecendo, na prática são keyloggers, as lojinhas virtuais têm aos montes

    são N situações onde alguma coisa pode estar fora de critério, computadores domésticos em geral são compartilhados, a pessoa sabe o que faz mas a filha menor ou o idoso que usa parte do dia não

    quanto ao linux não precisa ser kali, falei dele pois é o meu favorito, quem prefere ubuntu ou gosta do windows fique à vontade, no kali eu não preciso me preocupar com apps e serviços rodando em segundo plano pois é especifico para testes de rede, quem quiser testar vai encontrar um mundo bem diferente na tela

    no fim as escolhas vão de acordo com a necessidade e preferência individual, apenas adicionei meu ponto de vista ao comentário inicial, a partir do momento que alguém falou em TOR e cripto já não é mais alçada de um usuário normal, trackers não são 1/3 de toda porcaria que existe no mundo virtual e não existe regra única para lidar com tudo que causa dano à privacidade de alguém
  • Locke  26/10/2020 01:37


    **OFF-TOPIC**

    Eu estou pensando em criar conta no banco, sou jovem e ainda não tenho nenhuma vinculação com nenhuma instituição bancária, eu gostaria saber na opinião de vocês onde seria o melhor lugar pra guardar o dinheiro.

    Eu estou pensando em criar na Nubank e priorizar os bancos privados e se possivel digitais.

    Ou seria bom também fazer em algum banco grande como: Caixa e Banco do Brasil

    Eu realmente estou em duvida e a Nubank era a mais atrativa e vi que a Taxa Selic hoje está em 2%, não sei se a Nubank se destacaria nesse cenário que nos encontramos hoje.

    Mas aceito sugestões para eu poder pesquisar mais profundamente.

    Desde já agradeço
  • Conservative Libertarian  26/10/2020 18:58
    Crie no C6, mesmo serviço do Nubank mas que (ainda) não foi dominado pela galera lacração.
  • Lafaiette Lins  26/10/2020 12:32
    Interessante artigo. Tudo leva a crer que as tentativas de implementar uma Cashless Society global irão continuar. Contudo, reduzir não é a mesma coisa que eliminar (o papel moeda). E parece que terão de lidar com alguns problemas não tão simples de resolver. Dentre eles:

    A) Há 180 diferentes moedas atualmente em todo o mundo.

    B) 1.7 Bilhão de pessoas não possuem conta bancária em todo o mundo. No Brasil, 40% da população (Fonte: Banco Mundial).

    C) 1,2 Bilhão de pessoas não tem acesso à energia elétrica globalmente.

    D) Há cerca de 1 Bilhão de Analfabetos no Mundo.

    Outras Questões:

    1- 41% da população brasileira somente usa dinheiro em espécie em suas transações, na Rússia 42%; China 51%.

    2- A porcentagem de pessoas que não utiliza dinheiro em espécie na América Latina não ultrapassa 65%.

    3- Um exemplo ainda em vigência: Quando a Venezuela mergulhou no caos econômico e financeiro, lá utilizaram Ouro ou Bitcoins? Não! Utilizaram o Dólar norte-americano. Há outros exemplos na África, Ásia e América Latina. Basta pesquisar.

    4- Pelo mundo afora, comunidades de baixa renda, pessoas sem documentos, moradores de ruas e imigrantes ilegais não possuem acesso a nenhum meio eletrônico de transação financeira. Como os Estados lidarão com isto? Irão disponibilizar caminhões com comida, roupas, remédios, dentre muitos outros bens essenciais? E quanto aos serviços igualmente essenciais? Somente nos EUA e Europa (em um levantamento feito em 11 nações) os imigrantes ilegais já são mais de 150 milhões. Quanto a moradores de rua, já ultrapassam de 200 milhões em todo o mundo. (Fonte United Nations).

    Todos os dados acima podem ser facilmente encontrados online. (Basta saber ler em Inglês).

    Cheguei a coletar mais tópicos, mas a implementação de uma Cashless Society global não será nada simples, e muito menos será logo.
  • Vinícius  26/10/2020 14:35
    Meu caro, e quem se importa com os países atrasados? Quem se importa com suas moedas? O objetivo da "cashless society" mira os países já desenvolvidos. Nestes, dá pra implementar em menos de cinco anos. O resto do mundo atrasado é que terá de se adaptar. Ninguém se importa se a Suazilândia ainda irá manter sua moeda de papel. O efeito global será absolutamente nulo.
  • Skeptic  27/10/2020 03:15
    Bons pontos. Em países ricos, haverá uma forte aversão a essa ideia pela falta de privacidade. E não adianta falar que redes sociais já acabaram com isso pq elas dependem das informações que os próprios usuários dão. Um governo saber tudo sobre rua renda, seus consumimos, data, local, quantidade, é absurdo e assustador para a maioria da população num país rico e bem instruído, independente de ideologia política.
    Vai ser uma coisa implementada aos poucos se for mesmo, como o fim do padrão-ouro.
  • Ex-microempresario  27/11/2020 18:06
    Mas o alvo são justamente os 40% que só usam dinheiro vivo: pequenos comerciantes, autônomos, todo tipo de "bico".

    Sem dinheiro, eles não conseguirão viver à margem do sistema, sem pagar impostos: ou se "legalizam" e pagam ou vão viver de auxílio do governo e virar escravos obedientes.
  • Richard Stellman  26/10/2020 17:58
    Absolutely Disgusting

    www.camara.leg.br/propostas-legislativas/2260437

    "Paulo Sérgio Ramos Barboza, mais conhecido como Paulo Ramos é um militar reformado da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, advogado, administrador de empresas e político brasileiro. Atualmente, é filiado ao Partido Democrático Trabalhista, tendo passado pelo Partido Socialismo e Liberdade" - Wiki

    Militar e Carioca, combinação perfeita.
  • ASH  26/10/2020 19:12
    "A ideia é que, em não mais do que daqui a 5 anos, os países deixem de usar o dólar no mercado internacional e adotem, para as transações internacionais, uma moeda digital lastreada em uma cesta de moedas (exatamente como era o plano da LIBRA). "

    Após a crise de 2008 houve uma forte dolarização dolarização da economia mundial.
    O mundo hoje é muito mais dependente do dólar que antes de 2008.
    Acho muito complicado o mundo abandonar o dólar, ainda mais num momento de crise, onde bem ou mal os EUA ainda é o que há de mais seguro.
    O projeto do EURO fracassou, a China e suas instituições ainda não oferecem segurança jurídica, o franco suíço é muito limitado o real dispensa comentários.
    Acho bastante improvável que uma cesta de moeda seja amplamente adotada num momento que as moedas e economias estão numa crise tão grande que mesmo o FED cometendo atrocidades monetárias, o dólar ainda consegue ser a melhor opção.
  • Guilherme  26/10/2020 19:38
    Você tem alguma fonte para essa sua afirmação? Talvez um gráfico mostrando que a participação do dólar no comércio global aumentou? Procurei e não encontrei.

    O máximo que consegui achar é que entre 2012 e 2014 a participação caiu, mas isso também está longe de ser conclusivo.

    Enfim, queria saber se você conhece uma fonte.
  • ASH  26/10/2020 19:56
    www.mises.org.br/article/3238/por-que-ha-uma-escassez-de-dolares-no-mundo-apesar-das-macicas-injecoes-do-fed
    "
    Nos últimos 20 anos, as dívidas denominadas em dólar, tanto nos países emergentes (liderados pela China) quanto nos desenvolvidos, explodiram. O motivo é simples: investidores domésticos e estrangeiros não aceitam incorrer em volumosos riscos na moeda local, pois sabem que, em momentos de turbulência, como agora, vários países vivenciam uma acentuada desvalorização cambial (o dólar fica mais caro em termos das moedas locais). Tamanha desvalorizar gera intensos prejuízos para esses investidores, que, ao remeterem seus lucros, perderiam todos os seus ganhos ao converterem a moeda local para o dólar. "

    youtu.be/Z_DBuDuXypE

    Veja o artigo e no vídeo do Ulrich mostra muitos dados sobre o uso do dólar na economia mundial.
  • Conservative Libertarian  27/10/2020 00:27
    Eu acho interessante a empolgação de vários sobre o PIX, mas se esquecem apenas de uma coisa. o Pix irá aumentar a velocidade da circulação da moeda.

    Na prática, isso aumenta a velocidade que o dinheiro impresso e alavancado pelos bancos circule na economia, gerando carestia, certo?

    Temos que nos preparar para aumento de preços meus colegas?
  • Júlio   04/11/2020 03:38
    No momento é. Bom estudar mais sobre o token brasileiro wibx. Pois ele podem ser uma forma de fugir do real digital. Pois. Já estar sendo negociado no mercado bitcoin, e com ele a pessoa já pode fazer compras em shoppings, comprar, casa, carro , etc. No futuro bem próximo ele vai se valorizar muito quando aumentar o número de usuários dessa moeda digital brasileira porque ela é voltada para o setor de varejo brasileiro.
  • Luiz Cardoso  27/10/2020 21:36
    Ja faz alguns anos que o IV REICH ( antigamente conhecido como Uniao Europeia) queria acabar com o mercado paralelo de trabalhadores sendo pagos com dinheiro vivo.
  • Anti-BC  28/10/2020 23:59
    MUITO bom o artigo.

    Apenas ressalvo que o Bitcoin carece de privacidade.

    A sua rede (blockchain) é transparente.



  • Luiz  01/11/2020 05:05
    Nada que um mixer não resolva.
  • Luiz Henrique   29/10/2020 00:55
    Eu não sei mais o que faço. Ultimamente eu só ando triste e solitário. Os acontecimentos recentes, só fez provar que a grande maioria das pessoas não só almejam a escravidão. Já ouvi pessoas falarem que burocratas tem o poder de ditar a vida das pessoas, que privatizações são ruins para sociedade - e claro, utilizam os mesmo discursos que o pobre e quem vai sofrer - que tributos são essenciais e devem ser altos para proporcionar uma melhor qualidade de vida, dentre outras demagogias. Pode ser difícil o que eu vou falar aqui agora, mas sinceramente, eu meio que me arrependo de ter conhecido esse instituto. Por meio dele, minha perspectiva de politica e economia mudaram bruscamente. As ideias disseminadas aqui, abriram meus olhos para as ver as verdades e o que é certo. Mas o mais triste disso tudo, é que eu vivo em um mundo em cheio de mentiras.
  • Thiago  29/10/2020 12:50
    Acredito eu que seus sentimentos são compartilhados por muita gente libertária. Há um sentimento de impotência no que está acontecendo, eu mesmo o tenho, inclusive esse sentimento de solidão e tristeza. E isso aumenta ainda mais quando se tem parentes que dependem de INSS ou filho pequeno (meu caso), no primeiro caso, elas não fazem a mínima idéia que em breve não terão essa renda mais, ou se tiver, não terão nem perto do poder de compra que tem hoje. No segundo caso, vc se sente impotente para o futuro do próprio filho.

    Precisamos mudar o foco do "aviso" do que estar por vir para "o que fazer" ou "para onde (geograficamente) fugir disso".

    Esperar que as pessoas naturalmente resistam a isso é utopia, como alguém irá resistir a algo se ela mesma aceita inconscientemente o que está acontecendo? Mesmo vc desenhando pra ela o que está acontecendo, não há mudança nenhuma.

  • Felipe  29/10/2020 14:04
    Difícil não ficar pessimista. O que será que os austro-libertários pensavam quando explodiria a Primeira Guerra Mundial e muitas liberdades foram perdidas?
  • Douglas Coelho  31/10/2020 14:57
    O nível dos comentários são excelentes. A página quanto os participantes estão de parabéns. Uma verdadeira aula.
  • Leitor Antigo  01/11/2020 00:33
    Sim, essa é talvez a característica distintiva deste site: a seção de comentários aqui é a de mais alto nível da internet brasileira em termos de economia.
  • Gustavo  02/11/2020 13:12
    A presidente do Banco Central Europeu já fala abertamente nas redes sociais:

    We've started exploring the possibility of launching a digital euro. As Europeans are increasingly turning to digital in the ways they spend, save and invest, we should be prepared to issue a digital euro, if needed. I'm also keen to hear your views on it.

    twitter.com/Lagarde/status/1322859717329301504
  • Bruno  04/11/2020 21:28
    O ouro e bitcoin só deixarão a pessoa mais tempo fora dessa política. Não tem pra onde fugir. O estado poderá taxar o ouro e bitcoin em 95% se quiser, e o povo falido baterá palmas. Hoje é difícil adquirir ouro e bitcoin sem a receita saber, então o Estado já sabe quem tem, e com o dinheiro digital, saberão tudo que compramos. Uma lei poderá proibir empresas e pessoas de aceitarem/ negociarem bitcoin ou ouro. Será que as pessoas arriscariam aceitar bitcoin sob pena de prisão de anos e sem fiança ou multas pesadíssimas para empresas? Pra mim, o bitcoin foi um experimento dos próprios governos para saber se isso daria certo e poderem implantar no futuro ( hoje).
  • Lucas R.  05/11/2020 00:44
    Não tem como o estado taxar transações feitas em Bitcoin, pois ele não tem como monitorar essas transações. Por que as pessoas insistem nessa mentira?

    Ademais, se você comprar Bitcoins hoje, você dificilmente será tributado por isso daqui a 5-10 anos, quando essa política de moedas digitais estatais estiver em pleno vigor. Simplesmente não há como o estado saber se você tem Bitcoins ou não (agora, se você deixar para comprar BTCs apenas quando este sistema já estiver em vigor, e usar moedas digitais estatais para isso, aí sim você será espoliado).

    Quanto a empresas serem proibidas de aceitar Bitcoins, isso tem a mesma efetividade de controle de preços: nula. Quem quiser transacionar em Bitcoin irá fazê-lo normalmente. Nenhum governo proíbe mercado negro.

    Por fim, sua tese de que Bitcoin foi invenção de governo é bizarra. No mínimo, está chamando burocratas de seres indescritivelmente inteligentes. Só essa sua ideia já desqualifica todas as outras suas opiniões.
  • Neto  05/11/2020 00:45
    Com uma moeda digital emitida pelo estado, ele terá total controle sobre esse dinheiro em sua carteira. A qualquer momento ele poderá acrescentar ou subtrair dinheiro da sua carteira. Se você for bem comportado (ou seja, obedecer às ordens do estado), será premiado. Se for rebelde, será punido.

    Cada centavo de sua renda será inevitavelmente tributado. Não haverá como escapar. Todos os seus hábitos de consumo serão rigorosamente computados.

    A simples transferência de dinheiro de uma pessoa para outra (até mesmo de pai para filho) poderá ser tributada. Até mesmo se você pegar um empréstimo e atrasar o pagamento, o estado poderá ser acionado para confiscar seu dinheiro (caso o emprestador tenha conexões políticas).

    Em no máximo 5 anos isso já será realidade nos países avançados. Depois vem pra cá. Sugiro já começarem se aprumando desde já e irem protegendo sua riqueza em criptomoedas.

    Quanto mais leio e entendo sobre Bitcoin, mais me convenço que esse troço vai explodir (como aliás já está acontecendo). À medida que as pessoas forem entendendo o que está por vir, mais elas fugirão para o Bitcoin para se protegerem. Quem ficar nas moedas nacionais (qualquer uma) será depenado.
  • anônimo  05/11/2020 14:10
    Em caso de divórcio, se um dos cônjuges quiser diminuir a partilha e comprar bitcoins e outros tipos de criptomoedas para tentar se resguardar, o estado pode prender a pessoa por ocultação de patrimonio.
  • Neto  05/11/2020 16:14
    Ouro e especialmente Bitcoin estão explodindo. Além da expectativa de QE infinito e da adoção completa da Teoria Monetária Moderna, a turma ao redor do globo está começando a acordar para esse futuro das moedas digitais estatais, e já está começando a se precaver.
  • Fabrício  05/11/2020 17:04
    Atenção: Paulo Guedes confirma que Brasil terá versão digital do real

    exame.com/future-of-money/cbdcs-moedas-privadas/paulo-guedes-confirma-versao-digital-real-cbdc/

    E tem gente nos comentários daqui dizendo que tal ideia jamais chegaria aqui....
  • Neto  05/11/2020 17:11
    A correria é compreensível. O governo que implantar a moeda digital, e consequentemente implantar a Renda Básica Universal, nunca mais vai perder eleição.

    Não é nem mais uma questão de "se", mas sim de qual governo fará isso. Aquele que fizer, não sai mais.

    E vocês, já estão protegendo seu patrimônio?
  • anônimo  09/11/2020 18:07
    Por que aceita apenas papel-moeda?
  • Bernardo  09/11/2020 19:31
    Tudo o que você precisa saber sobre o assunto (e sobre o futuro do seu patrimônio) já foi resumido pela Christine Lagarde:

    "We should be happier to have a job than to have our savings protected."

    www.ft.com/content/eb8dae8c-fb14-11e9-a354-36acbbb0d9b6

    www.zerohedge.com/economics/lagarde-we-should-be-happier-have-job-have-savings
  • Mario Sampaio  10/11/2020 21:59
    Amigos so uma pergunta de leigo em finanças: Posso me garantir com a compra de outro "barrinhas de 1grama" para fugir dos olhos do Banco central em operaçoes pequenas para minhas despesas sem ser penalizado? Ou mehor dizendo vigiado?. Minha pergunta é....tendo as barrinhas da Ourominas ou Parmetal, etc....posso trocar elas no mercado paralelo ou vende-las para pagar contas nas proprias casas onde comprei?.
  • Trader  11/11/2020 00:38
    No mercado paralelo, sim. Desde que, é claro, você encontre compradores dispostos a atuar no paralelo (sempre tem nos centros urbanos; o problema é o risco).

    Quanto a essas empresas, sei que a Parmetal faz a custódia gratuita, ou seja, você compra e se torna o proprietário, mas pode deixar lá e revender para eles quando quiser. É uma estratégia interessante para este seu objetivo, mas você tem que levar em conta que a empresa pratica um razoável spread entre os preços de compra e venda (é daí que vem o lucro dela), de modo que, para operações curto prazo, você certamente terá prejuízo.

    Dica pessoal: se o seu objetivo é esse, abra conta no Mercado Bitcoin e compre Pax Gold (PAXG). Até R$ 25 mil por mês é isento. E é liquidez imediata.

    Mas, pelo amor de Deus, estude bem antes de fazer isso. Leia o que é Pax Gold e leia como funciona o Mercado Bitcoin, os prazos de saque, as taxas etc.
  • Emerson Luis  11/11/2020 12:07

    1) Os governos lançaram e continuam lançando uma enorme quantidade de dinheiro;

    2) Esse tsunami monetário não causou altas inflações ainda porque os bancos retiveram grande parte desse dinheiro;

    3) Os governos vão trocar dinheiro físico por dinheiro digital que os bancos não poderão reter;

    4) Logo...

    * * *
  • Jeferson neves  26/11/2020 23:38
    Supondo q eu vá comprar uma casa e a outra pessoa aceite Bitcoin, mas o governo baixa uma lei proibindo seu uso e dando uma pena de prisão bem alta pra quem utilizar. Qual seria a saída? Por mais que ambos queiram correr o risco, na hora de passar a casa para o nome do outro o governo ia descobrir q o pagamento não feito com o dinheiro dele e sim com Bitcoins.
  • Guilherme  27/11/2020 00:29
    Meu caro, este seu cenário já se aplica hoje para qualquer moeda que não seja o real. Eu não posso comprar imóveis em dólar, euro, ouro, franco suíço ou bolívares venezuelanos. Logo, não entendo seu espanto. Pela sua lógica, não era pra ninguém no Brasil poupar nem mesmo em dólares.

    Agora, no meu caso, eu simplesmente converteria Bitcoin para reais, desovaria os reais no infeliz do devedor, e pronto. Baita negócio. Eu ganhei um imóvel; o infeliz ficou com moeda de papel (que valerá cada vez menos com o passar do tempo).
  • Jeferson neves  27/11/2020 04:54
    Mas tanto comprador quanto vendedor utilizariam Bitcoins. A questão é q na hora de assinar a venda da casa o governo iria questionar a forma de pagamento e dizer: " por que ambos utilizaram Bitcoins sendo q é proibido?". E estou falando no caso de todo o real dinheiro físico já ter sido abolido. Como eu converteria Bitcoins para real sendo q o governo monitorararia todas as transações feitas em reais e ia ver oq eu tava tentando fazer?
  • Guilherme  27/11/2020 14:45
    Você pode trocar BTCs por dólares, por euro, por franco suíço, por iene, por iuane, por peso chileno, peso argentino, bolívar venezuelano etc., e então trocar por reais.

    A menos que os governos proíbam toda e qualquer transação cambial — o que, obviamente, voltaria com o mundo para a idade das trevas.
  • ninguem  27/11/2020 00:48
    Receba seus BTC e doe o que você quiser em troca deles.
    Mercados paralelos sempre existiram e sempre vão existir.
  • Igor  28/11/2020 02:24
    Que serventia terá o ouro após a adoção de uma CBDC no Brasil?

    Digamos que em algum momento eu precise trocar ouro por x unidades do Real CDBC para bancar um gasto ou por necessidade, aí vem o estado e me depena na fonte? Sendo assim, ainda que eu tenha bastante ouro físico pensando em aposentadoria/manter poder de compra eu não poderei fazer absolutamente nada para me proteger?

    Como tem gente que ainda acha que isso é bom ou que esses m*rdas trabalham em prol da população?
  • Fernando  28/11/2020 21:59
    Terá a mesma serventia que tem hoje. Não altera nada. Continua sendo reserva de valor para o longo prazo.

    Caso você precise trocar ouro por CBDC para efetuar gastos não premeditados, isso não altera nada. Você vende ouro para alguém, e esse alguém irá lhe transferir CBDC.

    Qual realmente é a encrenca?
  • Imperion  29/11/2020 17:09
    O ouro servirá como reserva de valor. Essa CBDC vai sofrer inflação por ser fiduciária, e só vai servir pra troca mesmo.

    E se o governo resolver taxar o ouro e o bit fortemente pra dificultar, quem tem vai fugir para um país que não dificulte. O país vai perder divisas e vai ter desemprego. O governo vai querer taxar, mas não encontrará. Só na saída de divisas já vai ter crise, assim como quando o dólar sai ele valoriza e o baque inflacionário ja deixa o governo impopular. 


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.