FORMULÁRIO DE CONTATO

Envie-nos sua mensagem e entraremos
em contato o mais breve possível.


Nome 


Email 


Mensagem 





Instituto Ludwig von Mises Brasil
Fone: +(5511) 3704-3782
E-mail: contato@mises.org.br
Interromper a expansão monetária e reverter toda a agenda ESG.
Nunca. Por isso, como sempre digo aqui, em outubro é Bozo ou Barbárie.
Achei ótimo o artigo. Entretanto, apesar da análise significativa do ponto de vista econômico e as conclusões que foram apresentadas pelo autor, que muito ajudam no atual momento do mundo, senti falta de planos de ações que solucionassem o problema. Pontos de ação que poderiam evitar isso.

Parabéns
Falando em crescimento econômico:

"Desemprego cai a 9,4% em abril, menor nível desde outubro de 2015, aponta Ipea"

Isso é ótimo e surpreendente. Bolsonaro, além de estar colhendo os frutos da reforma trabalhista do Temer, ainda auxiliou e trouxe ainda mais reformas para o ambiente de negócios. Quando é que houve reformas aqui no Brasil desse tipo?
Mas todo mundo aclama ifood, uber, bike/patinete urbana etc como virtuosidades do capitalismo moderno, então pq isso seria algo comunista???
"É realmente possível que a OFERTA de alimentos passe por um grande choque no sentido de mesmo com dinheiro não ser possível comprar?"

Quando isso ocorre, vc já está em hiperinflação. Muito mais dinheiro que a oferta.
Já a destruição da oferta em escala global, só nas guerras mundiais.

Normalmente a restrição de uma oferta forte ocorre só num local e temporariamente, como numa catástrofe. Em teoria, se a oferta for zero (quase impossível) o dinheiro local dessa economia também valeria zero. Nesse caso ele também não compraria alimentos importados.

O dinheiro tem que ter valor lastreado pra alguém o aceitar. E as pessoas so aceitam o dinheiro para trocar por outros bens e serviços oferecidos por outros produtores.

Numa economia global, a restrição de alimentos teria que ser no mundo todo pra surtir efeito. E como ela está apenas parcial, vc só sente nos preços aumentando.
Sim. O que já estava sendo pressionado pela expansão monetária tornou-se ainda pior com o cenário de guerra. A Rússia, como se sabe, suspendeu a venda da fertilizantes para o mundo. Rússia, Ucrânia e Bielorrússia são os maiores fornecedores.

Igualmente, a Rússia é o quarto maior produtor de trigo do mundo e o maior exportador. A Ucrânia é o sétimo maior produtor e está entre os quatro maiores em embarques. Juntos, os dois países respondem por cerca de 30% das exportações mundiais de trigo. E ambos os países são grandes exportadores de milho para a China. E tornaram-se também grandes exportadores de óleo de soja.

O conflito afetou sobremaneira a exportação de commodities, fartas naquela região.

Para piorar, a Índia proibiu a exportação de trigo.

Algo entre 50 e 60 milhões de toneladas de fertilizantes e cereais estão paradas nos portos russos e ucranianos, sem poderem ser exportados.

Como era de se esperar, os preços dos alimentos batem recorde histórico absoluto nos EUA, na Europa e no mundo. Na Argentina, metade da população já passa fome.

Tudo explicado aqui:

www.mises.org.br/article/3416/precos-dos-alimentos-e-dos-combustiveis-batem-recorde-historico-ao-redor-do-mundo-eis-os-culpados
O problema é que, para ser um direitista/libertário militante, você precisa amar mais a humanidade do que a si mesmo, já que está defendendo interesses difusos.

Já o esquerdista defende apenas os seus próprios interesses. Por exemplo: um artista faz militância para manter a Lei Rouanet, que rouba dinheiro de toda a sociedade e transfere para um pequeno grupo de artista vagabundos. A aglutinação de diversos bandidos tentando emplacar o mesmo golpe acontece naturalmente, como no crime organizado.

A esquerda tende a ser mais poderosa e organizada por que é da natureza humana agir de forma mais enérgica para defender os próprios interesses do que para defender interesses difusos. O amor a si próprio é maior que o amor à humanidade
Tem gente jogando alimentos fora de propósito ou dizendo que estão sendo forçados a isso. Isso também gera inflação.
Muito bem elaborada a tese de Hans-Hermann Hope.
Percebe-se, todavia, que nesta teoria do surgimento do homem "moderno" e as migrações do nordeste da África para o oriente (já desenvolvida em outros estudos, como o de Bill Cooper), o autor contempla nada mais que a descendência de Cam, cujas migrações coincidem em grau e número, apenas situando-as num passado longínquo de 50 mil anos, dando o caráter evolucionista que fundamenta o estudo. A par disso, temos também a teoria da origem mesopotâmica do homem, que traça outras migrações além das alinhadas aqui, a partir da descendência jafética e semítica. Neste contexto, a origem da família e da propriedade não é produto do acaso.
Obrigado pelas respostas mas a crise dos alimentos vai um pouco além da questão monetária embora esta não deixe de ser importante.

Os portos da Ucrânia foram fechados e a Rússia não está exportando fertilizante como antes. Em relação a produção de alimentos per si, qual é a perspectiva? É realmente possível que a OFERTA de alimentos passe por um grande choque no sentido de mesmo com dinheiro não ser possível comprar?

g1.globo.com/mundo/blog/sandra-cohen/post/2022/06/15/putin-tem-plano-de-fome-para-vencer-guerra-e-desestabilizar-europa-avalia-timothy-snyder.ghtml

A questão esquerdista (socialista, comunista, social democrata, assistencialista) é que eles sabem que e impossível dividir todos os recursos da economia, para 100 por cento das pessoas. É pura ideologia.

Mas o eleitorado petista é fiel. Eles sabem que vão receber recursos que são pertencentes a outras pessoas e de graça. É pra poucas pessoas.

Os próprios eleitores sabem disso. Não são tolos. Mas abrir mão de conseguir coisa de graça, pago pelos outros? Trocar por um arranjo em que elas tem que trabalhar, produzir, poupar às próprias custas? Mesmo que seja esmola.

Basta comprar o número suficiente de eleitores e se chegar ao poder. Por isso a esquerda sempre volta.

Tolo na verdade são os eleitores de direita e os libertários que tentam enxergar inocência neles, e que impedir o arranjo deles vai cair do céu sem engajamento.
"Sim, sou contra em casos de "estrupo" também. Estou apenas dizendo que ao menos entendo a defesa do aborto neste caso."

Ou seja, você considera menos pior.

"Já você, pelo que entendi, defende até o nono mês (por que não um minuto após o parto?), pois adota uma visão hedônica da vida. O que vale é curtir tudo ao máximo, e apenas "eliminar" as consequências desagradáveis da vida, como se fossem excrementos, sem qualquer punição."

Eu não defendo nada, minha ética é libertária, baseado na razão e na lógica, e não vejo qualquer razão para punir uma mulher por se livrar de um feto indesejado de seu corpo. Não ligo se você julga mulheres que abortam, mas sou contra qualquer lei que proíba tal ato, e contra qualquer punição coerciva.
Sim, existem vários aqui. A inflação é impressão monetária. E foram imprimidos trilhões por todos os países para que as pessoas ficassem em casa.

Elas não produzem nada e ficam recebendo dinheiro pra ficar só consumindo o que é produzido.

Daí que a comida não surge do nada. Sua oferta é quase sempre a mesma e imprimir dinheiro não faz magicamente com que ela surja. Daí que quem recebe esse dinheiro sai e compra tudo antes, e desabastece o mercado. Isso porque gera aumento da demanda sem aumento da oferta. O primeiro sintoma é inflação. Mas piora.

O produtor ao receber dinheiro inflacionado, sem lastro, toma prejuízo ao comprar insumos para nova produção. E piora. Nos países que falam que comida é bem essencial, logo logo se começará com os congelamentos, obrigando-os a vender por um preço menor, assim como está com a gasolina. Daí vai ser a produção que irá cair, pois o prejuízo vai ser colocado nas costas deles.

A receita está pronta. Isso sempre se repete. Já aconteceu antes. Vai acontecer de novo. É o caso atual da Argentina, na prática. Então essas reportagens que saem falando que vai ter catástrofe alimentar é porque eles ja estão preparando novas rodadas de impressão de dinheiro para subsidiar a compra de alimentos, o que por sua vez vai acelerar o processo de escassez de alimento.

Lembre-se: vão imprimir dinheiro e eles vão receber primeiro (fins políticos), gerando inflação. E quem receber por último, vai sofrer, pois os alimentos já tiveram aumento.

Países como Brasil que só produzem para exportação serão os que mais vão sofrer com a inflação mundial.
Sim, sou contra em casos de "estrupo" também. Estou apenas dizendo que ao menos entendo a defesa do aborto neste caso.

Já você, pelo que entendi, defende até o nono mês (por que não um minuto após o parto?), pois adota uma visão hedônica da vida. O que vale é curtir tudo ao máximo, e apenas "eliminar" as consequências desagradáveis da vida, como se fossem excrementos, sem qualquer punição.
"Aborto é a negação da responsabilidade individual."

Errato, aborto é essencialmente a eliminação de um feto dentro do corpo, seja fruto de uma relação sexual voluntária ou não. Cometer aborto significa simplesmente eliminar o feto do corpo, não faz sentido dizer que está havendo uma "negação da responsabilidade individual" se a pessoa nunca teve a responsabilidade de deixar esse feto crescer até se tornar um ser humano.

"Para casos de estupro, até faz sentido. Mas não para sexo consensual. Com sexo consensual, o surgimento de uma criança não é algo ao acaso"

Não faz sentido argumentar contra a eliminação do feto em casos de relação sexuais voluntárias mas dizer que o aborto em frutos de casos de estrupo está tudo bem. Afinal, você apoia a vida do feto, ou simplesmente quer bizarramente obrigar às mulheres á aumentar a população humana, negando o acesso delas ao aborto?

Formule a sua opinião de forma mais clara: você considera a vida dos fetos como algo valioso e indispensável? Se sim, então você tem a obrigação moral de julgar qualquer um que apoie ao aborto, não importando se é fruto de estrupo ou não.

"Um bebê não "surge" no ventre da mãe como que por encanto; como se a mulher nada houvesse feito para que o bebê "invadisse" seu útero; como se questões básicas da biologia fossem totalmente desconhecidas."

Como disse anteriormente, não faz sentido dizer que a mulher tem a obrigação de assumir qualquer feto, o espermatozóide invadiu sim o corpo dela, crescendo sem acesso a sua opinião, e é por meio de procedimentos de absorção que ela elimina tal feto. Conservativos servem para previnir isso tudo.

"Se você estiver passando por um homem se afogando em um lago, você não tem a obrigação (legal) de tentar resgatá-lo; mas se você empurrar alguém em um lago, aí sim você tem a obrigação positiva de tentar resgatá-lo. Se não o fizer, responderá por homicídio.

O que isso tem haver com a absorção de um feto? É cada comparação sem pé e nem cabeça.

"Do mesmo modo, se suas ações voluntárias derem vida a uma criança que tenha necessidades naturais de abrigo, comida, proteção e cuidados, essa situação será semelhante a jogar alguém num lago.

Em ambos os casos, você cria uma situação em que um outro ser humano está em desesperadora necessidade de ajuda, sem a qual morrerá. Ao criar essa situação de necessidade, você passa a ser obrigado a saciar essas necessidades. E certamente esse conjunto de obrigações positivas incluiria a obrigação de emancipar a criança em um certo momento."

Agora você saiu do assunto sobre o aborto de fetos para um sobre o abandono de crianças e bebes. Nesse caso sim, eu concordo, afinal, se a mulher deixou o feto crescer até se tornar de fato um humano, é falta de responsabilidade não assumi-lo de alguma forma.

"Essa postura de querer se evadir de responsabilidades é totalmente antilibertária e amplamente libertina. Se alguém fez filho, mas não quer criar, está cheio de casais estéreis por aí loucos para ter um."

Sim, é por isso que existem adoções de bebês e crianças, até porque existem pessoas que não possuem às condições financeiras de fornecem cuidados apropriadamente modernos para uma criança.
Se deixar os preços flutuarem, não tem risco de desabastecimento, pelo menos não como na Argentina ou Venezuela.
Aborto é a negação da responsabilidade individual. Para casos de estupro, até faz sentido. Mas não para sexo consensual. Com sexo consensual, o surgimento de uma criança não é algo ao acaso.

Um bebê não "surge" no ventre da mãe como que por encanto; como se a mulher nada houvesse feito para que o bebê "invadisse" seu útero; como se questões básicas da biologia fossem totalmente desconhecidas.

Se você estiver passando por um homem se afogando em um lago, você não tem a obrigação (legal) de tentar resgatá-lo; mas se você empurrar alguém em um lago, aí sim você tem a obrigação positiva de tentar resgatá-lo. Se não o fizer, responderá por homicídio.

Do mesmo modo, se suas ações voluntárias derem vida a uma criança que tenha necessidades naturais de abrigo, comida, proteção e cuidados, essa situação será semelhante a jogar alguém num lago.

Em ambos os casos, você cria uma situação em que um outro ser humano está em desesperadora necessidade de ajuda, sem a qual morrerá. Ao criar essa situação de necessidade, você passa a ser obrigado a saciar essas necessidades. E certamente esse conjunto de obrigações positivas incluiria a obrigação de emancipar a criança em um certo momento.

Essa postura de querer se evadir de responsabilidades é totalmente antilibertária e amplamente libertina. Se alguém fez filho, mas não quer criar, está cheio de casais estéreis por aí loucos para ter um.
Existe algum artigo específico sobre a crise mundial de alimentos que está sendo alertada pela ONU? Estão afirmando que em 2023 pode haver uma catástrofe global no suprimento de alimentos. Isso realmente está para acontecer?


economia.uol.com.br/noticias/efe/2022/06/08/onu-adverte-que-atual-crise-alimentar-podera-ser-uma-catastrofe-em-2023.htm

valorinveste.globo.com/mercados/internacional-e-commodities/noticia/2022/06/24/onu-alerta-que-paises-podem-declarar-crise-de-fome-entre-este-ano-e-2023.ghtml