clube   |   doar   |   idiomas
O Brasil está “dividido”? Ao contrário: está mais plural do que nunca. Para desespero da esquerda
E para o terror dos saudosos do monopólio da informação

Até o início dos anos 2000, era comum jornalistas, escritores, professores e políticos "que combateram a ditadura" lamentarem a alienação dos jovens em relação à política.

Aquela "geração de 1968, o ano que não terminou" parecia muita preocupada com esse distanciamento dos jovens, o qual, segundo ela, resultava no alheamento das discussões políticas e numa falta de preocupação com os rumos do país.

Agora, esses mesmos "formadores de opinião" e as novas gerações que eles ajudaram a formar reagem horrorizados ao verem se concretizar este mesmo envolvimento pelo qual sempre clamaram. E estão horrorizados porque os jovens e adultos de hoje já não seguem mais o mesmo caminho ideológico.

Pior: não apenas não seguem como ainda se tornaram os seus antagonistas, alvos a quem eles dedicam insultos dos mais variados, que vão do fas até cistas.

Para criar uma narrativa que soasse verossímil e palatável, a intelectualidade que não pensa e a intelligentsia que rumina passaram a difundir a ideia de que "o país está dividido". Se o país está dividido, isso significa, para eles, que metade do país está ao seu lado. É o exemplo perfeito e acabado do Método Artificial de Inflação Estatística: se você precisa demonstrar um apoio numérico que não tem, seja o arauto da divisão social.

Afinal, o que é essa "divisão do país" se não o fato de as pessoas terem acordado para a eficiente ofensiva cultural esquerdista, para a sua vitoriosa batalha pelo poder político e para as consequências trágicas da esquerda no poder?

Mesmo que você ainda não tenha se dado conta da dimensão do domínio da esquerda na cultura e na política brasileira, para atestar o que digo basta verificar que quase todos aqueles que reclamam que o país está dividido são de esquerda, simpatizantes da causa ou inocentes úteis.

Aqueles que hoje lamentam o acirramento das discussões sobre política assim o fazem porque estavam acostumados a falar apenas para companheiros de ideologia e de luta. Não tinham até então quem lhes questionasse ou fizesse frente. Assim, padronizaram o discurso, estabeleceram as regras do debate permitido, formaram a cabeça de professores, e definiram o que os alunos deveriam aprender nas salas de aula. Forjaram, em suma, todos os alicerces mentais e programáticos para que nós, brasileiros, aceitássemos sem resistências o seu projeto de sociedade.

Tudo isso está muito bem explicado no excelente e recém-lançado livro A Corrupção da Inteligência – Intelectuais e Poder no Brasil, do antropólogo Flávio Gordon.

Os intelectuais revolucionários brasileiros, como bem mostra Gordon, pretendem nos conduzir — nós os simplórios — "a uma concepção de vida superior", pois não somos considerados pessoas de verdade, mas sim "um problema social" ou "representantes de uma classe que é preciso emancipar" (p. 96-97).

Como no poema de Bruno Tolentino, eles hesitam "em aceitar o mundo como tal,/ no drama intelectivo da pintura/" e assumem "toda a condição do mal/ cognitivo do ser: o universal,/ a Ideia, a abstração em que a figura,/ servida na bandeja ao Ideal,/ é referencial, ou seja, é a pura/ e simples figurante de um esquema" (O Mundo como Ideia, Editora Globo, 2002, p. 392).

Quando, porém, os intelectuais e a intelligentsia começaram a ser confrontados, de forma polida ou agressiva, passaram a identificar nessa divisão do país um mal a ser revelado, combatido e destruído.

Aí é que está: quando viram ruir a sua grande muralha, iniciaram a denúncia da agressividade das discussões e da divisão da sociedade por causa da política. Mesmo que o discurso agressivo estivesse bem fundamentado, era ilegítimo porque violento, uma violência verbal similar à que eles próprios usaram, legitimaram ou de que foram beneficiários.

O problema, claro, jamais foi a agressividade, posto que acostumados estavam com esse tipo de estratégia política. Diante da progressiva perda de prestígio e de influência na sociedade, e perante a própria falta de argumentos e de dados empíricos que sustentassem o seu discurso ideológico carcomido, a intelectualidade e a intelligentsia passaram também a usar a vitimização como instrumento defensivo para tumultuar o debate sem ter razão.

O que intelectualidade e a intelligentsia queriam era que tudo continuasse como dantes no quartel d'Abrantes, que todos nós nos mantivéssemos apáticos, indiferentes e calados. Que continuássemos a ser a prova da estupidez de muitos, como apontou o Marquês de Maricá, dado que somente em pouquíssimos casos apatia e indiferença demonstram profunda sapiência. Se livres, lépidos e fagueiros, os revolucionários poderiam continuar militando, distorcendo e mentindo impunemente. Essa boa vida, porém, acabou.

Apesar de todos os erros cometidos neste momento de transição pelo qual passa o país, é preferível os excessos que têm sido cometidos na arena político-ideológica, imoderação própria de um processo de maturidade, do que a passividade e a inércia que foram a marca do passado recente, quando a sociedade brasileira parecia o artista da fome daquele conto de Kafka que "não ousava queixar-se" e desculpava-se pelo que faziam contra ele.

O Brasil, meus caros, não está dividido. O Brasil está mais plural do que nunca. Só que a esquerda jamais aceitará que a pluralidade não seja meras gradações de um mesmo tom de vermelho.

——————————————

Artigo originalmente publicado em outubro de 2017


autor

Bruno Garschagen
é autor do best seller "Pare de Acreditar no Governo - Por que os Brasileiros não Confiam nos Políticos e Amam o Estado" (Editora Record). É doutorando e Mestre em Ciência Política e Relações Internacionais pelo Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa e Universidade de Oxford (visiting student), formado em Direito, coordenador e professor de Ciência Política da Pós-Graduação em Escola Austríaca (IMB-UniÍtalo), podcaster do Instituto Mises Brasil e membro do conselho editorial da MISES: Revista Interdisciplinar de Filosofia, Direito e Economia.


  • Acir  30/10/2017 17:31
    Excelente! Síntese perfeita do despertar de uma geração que não aceita mais de boca calada essa ideologia fracassada.
  • Gilberto  30/10/2017 17:35
    Não fossem o petismo e seus delirantes defensores, principalmente os intelectuais e os jornalistas engajados, jamais esse fenômeno de despertar teria ocorrido. Ao usarem a tática de desqualificar as vozes dissonantes, ajudaram a despertar do sono, milhões de brasileiros que até então não estavam nem aí para política e para ideologias totalitárias.
  • Vinicius Aita  30/10/2017 20:31
    Concordo contigo, Gilberto. Foi preciso todo esse "trabalho" para fazer todos acordarem. Não deixa de ter esse papel positivo.
  • marcelo lanzara  01/12/2017 16:39
    Discordo totalmente, com todo respeito. Não fosse a ferocidade com que o PT avançou nos cofres públicos, dilacerando nossa economia, o brasileiro, infelizmente, ainda estaria dormindo em berço esplêndido. Foram os escândalos de corrupção, a recessão, o desemprego que alertaram o brasileiro que algo estava errado. Se a economia continuasse de vento em popa, se o PT fosse um pouco mais inteligente em manter o motor funcionando, estaria no poder até hoje tranquilamente.
  • Ronaldo Viveiros de Sousa  30/07/2019 04:15
    Perfeito! Também penso assim, o brasileiro médio, aquele que decide as eleições, parece que se saturou com os escandalos da lava jato e a disparada de preços.
    O mensalão por exemplo, foi um golpe gravíssimo nas instituições da república, mas não afetou o bolso do povo então foi tolerado e esquecido.
  • Vilma passarelli  02/06/2020 22:27
    Ronaldo viveiros de Sousa,discordo da sua opinião.O mensalão afetou SIM os nossos bolsos na medida em que o dinheiro desviado em forma de propina tinha origem em impostos pagos pela população e deveria ter sido usado em benefício da população
  • Bruno Valença  30/07/2019 13:16
    Foi um somatório de fatores, sendo este, o do dilacaremento do erário, mais um entre outros tantos.
  • Vitor  30/10/2017 17:38
    Eis outro teste que não falha: sempre que a esquerda (de todas a gradações) denuncia uma "polarização" e um "radicalismo de direita" é porque eles estão sentindo que não mais conseguem fazer doutrinação sem resistência. Isso vai desde o aluno que questiona o professor de história até a reação em massa de evangélicos contra kit gay e ideologia de gênero.
  • Guitto  30/10/2017 19:10
    Bruno Garschagen sempre genial e preciso como uma navalha. A esquerda só aceita pluralidade quando ela é apenas uma variação da própria esquerda(PT-PSOL-PcDoB-PSTU). Essa é a pluralidade deles.

    Estão agora, inconformados com a perda do monopólio das ideias, com a perda do palco que julgavam ser apenas deles. E isso é lindo.
  • Luciano  04/11/2017 17:36
    Favor acrescentar a sigla PSDB
  • Julio  08/11/2017 15:48
    Pois é! Para a "direita", como a social-democracia defende uma forte intervenção do estado na economia, o PSDB é de "esquerda". Para a "esquerda", como a social-democracia defende a propriedade privada, inclusive sobre os meios de produção, o PSDB é de "direita". E agora! Quem tem razão?
  • Antônio Galdiano  25/11/2017 07:51
    Se um bandido se contentou com seu celular e não levou suas roupas do corpo, continua sendo bandido. Certo?
  • Julio C  01/12/2017 19:30
    Você só confirma a resposta acima dada ao meu xará.
  • Julio C  01/12/2017 19:28
    Ninguém. Simplesmente por que para a "direita" quem não for de direita, é de esquerda. Para a "esquerda" quem não for de esquerda, é de direita. Simples assim!
  • MARCOS JAMES  05/01/2018 16:58
    O PSDB é tão sujo quanto o PT, o Lula fez campanha pro FHC no ABC paulista.
  • Marcos  30/10/2017 20:13
    Temos que agradecer ao PT pela queda da máscara da esquerda.
  • Daniel   31/10/2017 13:05
    Rapaz, a Dilma merece uma estátua. Fez sozinha o que todos da "direita" vinham tentando fazer por 13 anos: acabar com o PT.
  • Euclides  20/01/2018 15:37
    Kkkkkkkkk... é vero.
  • Fernando  30/10/2017 20:16
    Sempre foi fantasiosa essa ideia de que havia esquerda e direita no Brasil. Era tudo esquerda, pois só ela tinha espaço para se pronunciar na mídia. Na prática, só ela tinha direito de existir. Agora, pela primeira vez, estão surgindo movimentos genuinamente liberais e conservadores com voz ativo e espaço no debate público.
  • Getulio  30/10/2017 20:25
    Esse sempre foi o jogo político da esquerda. Como nunca houve direita, a esquerda criava seus próprios inimigos e os retratava de maneira bem caricata para forçar o povo a escolher um dos lados (a bondosa esquerda versus a malvada direita). Com o fiel da balança violentamente girado para a esquerda, era impossível qualquer discurso medianamente de direita. Quem fizesse isso era imediatamente tachado de reacionário e expulso do debate.

    Hoje, ao menos temporariamente, isso acabou. E a esquerda está encolhida e assustada. O que não podemos é esmorecer. É exatamente quando o inimigo está abatido que você tem de cair com ainda mais força em cima dele.

  • Cairam por exaustao  30/10/2017 21:50
    Em primeiro momento foi assim (os idiotas úteis):

    1 - Os anti-humano usaram estratégias desconhecidas.

    2 - Até então, o povo nem sabia o que estava acontecendo.

    3 - Houve de início o sucesso da doutrinação, porém, questionamentos ficaram no ar.

    4 - Se deram conta que estavam defendendo algo que não fazia sentido.

    5 - Começaram a perceber que os que doutrinavam, defendiam coisas obscenas, sem nexo, amoral, e mentirosas.


    Segunda parte (o povo):


    6 - Os que eram alvos dessa militância não sabiam combater esta doutrinação, pois não entendiam nem o que ocorria por de trás de tudo isso.

    7 - Então começou a ficar chato a mesma falácia e mentiras.

    8 - Daí se percebe que usam de várias ferramentas, e a principal é a desinformação.

    9 - A mesmice é enojante.

    Parte final:

    10 - Alguns do lado militante começam a perceber que estão sendo feitos de idiotas

    11 - O povo, começa então a aprender a se defender dos ataques feitos por massividade e exaustividade.

    12 - A tática caí em desgraça, pois táticas usadas demasiadamente, perdem seu efeito.

    13 - Agora a massa mal-intencionada, começa à ter um seu contra ponto, uma resistência. E ela cresce a cada dia.

    14 - A verdade vem à tona cada dia que passa, bastando olhar o que falam, com o que fazem, e o que é realmente verdade ou não.


    Resumindo, por overdose, o povo não só ficou imune, como passou a ser o antídoto para o mal que adentrou em nosso país.

    E realmente os ditadorezinhos estão perdidos, não sabem o que fazer. O que restou foi convencerem para si que são maioria, e usar todas as ferramentas já corrompidas (Como Ibope, DataFolha, Data 360, e muitas outras. Eles estão criando vários, pois sabem que Ibope, DataFolha, Instituto de Pesquisas e afins, só fazem pesquisas forjadas).

    Basta ver em comentários, pesquisas e nas ruas. O que eles tentam nos empurrar com seus números, está fora da realidade que vivemos. Apesar de o intuito ser manipular a massa (ou justificar o resultado virá das urnas eletrônicas -fraude) , não está convencendo.


    P.S.: Em muitas pesquisas independentes, Bolsonaro ganha de Lula, e sempre com uma margem de 70% para cima. Diferente dessas pesquisas encomendadas "que foram feitas em 1 milhão de municípios, com 2002 pessoas" - é para rir).


    Veja um exemplo: Lula tem 35%, Bolsonaro, 13%, e Marina, 8%, aponta pesquisa Ibope para eleição presidencial de 2018


    https://g1.globo.com/politica/noticia/lula-tem-35-bolsonaro-13-e-marina-8-aponta-pesquisa-ibope-para-eleicao-presidencial-de-2018.ghtml

    Mesmo sabendo que Lula tem uma rejeição de 70%, mentem, porque eles controlam a máquina e suas instituições. Isto Agora reparem se os comentários fossem usado para tal pesquisa. Melhor, reparem este comentário:

    Jobs
    HÁ 9 HORAS
    B0LSONAR02018 clica no verde: 2486
    Lu la clica no vermelho: 611

    Agora tirem suas conclusões. Para vocês verem. Estas pesquisas apenas funcionam como anestésicos, para que aceitemos calados o resultado de uma eleição fraudada.

    Nada mais além disso.

    Democracia? Não. Isso é Socialismo (à caminho de uma ruptura para a instalação do Bolivarianismo).

  • Cairam por exaustao  30/10/2017 22:06
    Errata:


    1 - Eles estão criando vários, pois sabem que Ibope, DataFolha, Instituto de Pesquisas e afins, pois sabem que estes já estão queimados.


    2 - Apesar desses intuitos de pesquisas servirem apenas e somente para manipular a massa (e justificar o "resultado" que virá das urnas eletrônicas -fraude) , eles já sabem que não nos convencem mais.

    3 - Reparem se os comentários fossem usado para tal pesquisa. Melhor, reparem este comentário:

    Perdão pelos erros de Português. Muito sono. Mas não poderia deixar de participar.
  • Thiago Teixeira  30/10/2017 22:08
    Obrigado, Dilma!

    A maior formadora de liberais e conservadores!
  • Cristino Fagner   08/09/2022 18:42
    kkkkkkkkk, exatamente.
  • Natalia Matiazzo  30/10/2017 23:13
    Viram a última daquele lunático Leonardo Boff? Poderiam responder?
    Ganhei esse texto na aula de Análise do Discurso para analisar e fingir que levo a sério para o assunto da disciplina, tirado de blog ainda por cima.
    https://leonardoboff.wordpress.com/2017/10/24/a-ideologia-e-como-a-sombra-sempre-nos-acompanha/
    É incrível o cinismo desse cara em denunciar as ideologias nefastas e ocultas dos outros que discordam dele, mas não enxerga a própria canalhice ideológica partidarista da elite política.
    Também tive que corrigir muitos erros gráficos:

    "A ideologia é como a sombra: sempre nos acompanha"

    "O tema da ideologia está em pauta: ideologia de gênero, política, econômica, religiosa etc.
    Tentemos tirar a limpo esta questão.

    1.Todos têm uma determinada ideologia. Quer dizer, cada um se faz uma ideia (daí ideologia) da vida e do mundo. Tanto o pipoqueiro da esquina, quanto a atendente do telefone ou o professor universitário. Esta é inevitável, porque somos seres pensantes com ideias. Querer uma escola sem ideologia é não entender nada de ideologia.

    2.Cada grupo social ou classe projeta uma ideologia, uma visão geral das coisas. A razão é que a cabeça pensa a partir de onde os pés pisam. Se alguém tens os pés na favela, tem uma certa ideia de mundo e de sociedade. Se alguém tem os pés num apartamento de luxo junto à praia, tem outra ideia do mundo e da sociedade. Conclusão: não só o indivíduo, mas também cada grupo social ou classe, inevitavelmente elaboram sua visão da vida e do mundo a partir de seu lugar social.

    3.Cada ideologia pessoal ou social, bem como todo saber, tem por detrás interesses, nem sempre explicitados. O interesse do operário é aumentar o seu salário. O do padrão, o de aumentar o seu lucro. O interesse de um morador da favela é sair daquela situação e ter sua casa decente. O interesse do morador de um apartamento de classe media é poder manter esse status social, sem ser ameaçado pela ascensão de gente do andar de baixo. Os interesses não convergem porque se aumenta o salário, diminui o lucro e vive versa. Aqui se instaura um conflito.

    4. O interesse escondido atrás do discurso ideológico deve ser qualificado: ele pode ser legítimo e importa explicitá-lo. Por exemplo: tenho interesse que esse grupo de famílias crie uma pequena cooperativa de produtos orgânicos, de hortaliças, tomates, milho etc. Esse interesse é legítimo e pode ser dito publicamente. O interesse pode ser ilegítimo e é mantido oculto para não prejudicar quem o propõe. Exemplo: há grupos que combatem o nu artístico para, na verdade, encobrirem a homofobia, a supremacia da raça branca e a perseguição aos grupos LGBT. Ou um político de um partido neoliberal cujo projeto é diminuir salários, reduzir as aposentadorias e privatizar bens públicos apresenta-se como alguém que vai lutar pelos direitos dos trabalhadores, dos aposentados e defender a riqueza do Brasil. Ele ideologicamente oculta os reais interesses partidários para não perder votos. Essa ocultação é a ideologia como falsidade e ele, um hipócrita.

    5.A ideologia é o discurso do poder especialmente do poder dominante. O poder é dominante porque ele domina várias áreas sociais. As elites brasileira têm tanto poder a ponto de comprarem as demais elites. Pelo fato de serem dominantes, impõem sua ideia sobre a crise brasileira, culpando o Estado como ineficiente e perdulário, os líderes como corruptos e a política como o mundo do sujo. Por outro lado, exaltam as virtudes do mercado, as vantagens das privatizações e a necessidade de reduzir as reservas florestais da Amazônia para permitir o avanço do agro-negócio. Aqui se oculta conscientemente a corrupção do mercado onde atuam as grandes empresas que subtraem milhões dos impostos devidos, mantém caixa dois, promovem juros altos que favorecem o sistema especulativo financeiro que drena dinheiro público, tirado do povo, para os bolsos de minorias, que, no caso brasileiro, são seis bilionários, possuindo igual riqueza que 100 milhões de brasileiros pobres. Essas elites ocultam as agressões ecológicas, a desnacionalização da indústria e fazem propaganda do Agro porque é pop. Praticam deslavada ideologia como enganação. Há redes de televisão que são máquinas produtoras de ideologia de ocultação, negando ao povo, dados sobre a gravidade da situação atual, gerando espectadores alienados, pois creem em tais versões irreais. Para encobrir sua dominação, apoiam projetos que beneficiam crianças ou secundam grandes eventos artísticos para parecerem benfeitores públicos. Por detrás ocultam falcatruas e apoiam abertamente determinados candidatos, satanizando a imagem do principal opositor.

    6.Há também a ideologia dos sem-poder, dos sem terra e sem teto e outros que para se sustentaram, elaboram discursos de resistência e de esperança. Mas essa ideologia é benéfica pois os ajuda a viver e a lutar.

    A ideologia é como uma sombra: sempre nos acompanha. Para superar as ilegítimas, faz-mister desmascará-la e trazer à luz os interesses escusos. E quando falamos a partir de um determinado lugar social, convém explicitar no discuro nossa ideologia. Conscientizada, a ideologia se legitima e democraticamente pode ser discutida ou aceita."



    Leonardo Boff é articulista do JB online, terminou um livro sobre:Concluir a refundação ou prolongar a dependência do Brasil? Reflexões sobre a crise brasileira, a sair.
  • O cara  30/10/2017 23:58
    Sinceramente, nem li. Nem vou ler.

  • Daniel   31/10/2017 13:10
    Não seja preconceituoso, leia. Vai te render umas risadas.
  • Cairam por exaustao  31/10/2017 01:31
    Fingir que leva à sério, e responder sempre o que eles querem ouvir é a melhor resposta.

    Acho até engraçado a cara que eles fazem de felicidade achando que estamos todos seguindo a mesma linha de raciocínio.

    Eles acreditam piamente (cegamente assim por dizer) que o povo não sabe que está sendo doutrinado.
  • Daniel   31/10/2017 13:29
    Sim, posso responder.

    1. Ele começa bem, para disfarçar. Argumento do cavalo paraguaio. Começa bonito para dar a impressão de que vai falar algo relevante.

    2. Sim a ideologia é influenciada pelo lugar em que se nasce, mas isso não é um determinante. O que não falta por aí é pobre de direita e rico de esquerda. Aliás, como diz o Pondé, "pobre só pode ser de direita, porque não tem tempo de ficar pensando nas injustiças do mundo, tem que acordar para trabalhar."

    3. Aí a coisa começa a degringolar. Dizer que aumento de salário diminui o lucro é só uma frase feita para ganhar os ouvidos dos assalariados. A história prova o contrário. Henry Ford aumentou seus lucros depois que DOBROU o salário de seus operários. E olha que estamos falando de um canalha que apoiou o fascismo.

    4. Mais clichezões de fácil aceitação, como "neoliberal" (ah, se ele soubesse que "neoliberal" é na verdade um liberal que flerta com a "justiça social", como Milton Friedman, [link]www.mises.org.br/Article.aspx?id=2542[\link]). E essa afirmação de que ser contra o nu artístico é ser homofóbico é tão ridícula que sequer oferece possibilidade de refutação. Para algo ser refutado, tem que ter o mínimo de sentido.

    5. "A ideologia é o discurso do poder especialmente do poder dominante". Concordo. E quem está no poder são POLÍTICOS, não empresários. Logo, o discurso dominante é o discurso a favor do estado, o mesmo que Leonardo Boff apoia. Ele também usa uma tática típica da esquerda, que é atribuir ao capitalismo problemas que só existem por causa do estado, como o "desvio de dinhero público para empresas". Sem o estado, não haveria dinheiro algum para ser desviado.

    Ele também fala dos outros que escondem o interesse de seus discursos, mas não tem a hombridade de falar o nome da REDE GLOBO à qual ofende, e fica dando indiretinhas como "ah, eles dizem que Agro é pop."

    6. "Há também a ideologia dos sem-poder, dos sem terra e sem teto e outros que para se sustentaram, elaboram discursos de resistência e de esperança". Antes fossem só discursos. Os danos das ações dos sem-terra são bem palpáveis: plantações destruídas, propriedades roubadas, pessoas espancadas. Defender os sem-terra é defender LADRÕES e VÂNDALOS. Esse último parágrafo explicita a canalhice desse autor.

    Pronto, está respondido. Pode mandar pro Leonardo Boff se você puder.




  • Muralha   31/10/2017 03:16
    Depois da falência da Venezuela, da Argentina e do Brasil, os modelos que os esquerdistas ocidentais louvaram por mais de 10 anos como os sistemas ideiais, os esquerdistas estão completamente desmoralizados.

    Eu me lembro bem que que aconteceu algo parecido na década de 90 depois do fim da URSS (uma das razões por Lula não ser eleito foi essa). Logo logo a esquerda latino-americana irá se modificar novamente e enganar mais um vez o povão.
  • Carlos  31/10/2017 12:05
    Um bom livro para complementar o artigo é "La Trahison des Clercs" do Julien Benda. Em português, "A Traição dos intelectuais". Vale a pena.
  • Daniel   31/10/2017 13:00
    "a intelectualidade que não pensa e a intelligentsia que rumina"

    É isso ae, tem que ofender esse povo mesmo. Fornique-se o politicamente correto. Boa, Garschagen.
  • anônimo  31/10/2017 19:08
    Não sei o que os militares estão esperando para intervir.

    Legislativo corrupto, Judiciário corrupto.
  • outro anônimo  02/11/2017 15:51
    Os milicos burros entregaram a faca e o queijo na mão dos socialistas do presente. Tem que ser muito burro pra apoiar esses imbecis.

    Bostil tinha que ter virado uma URSS na década de 60, só assim para perceberem que socialismo somente destrói riquezas. Mas ao invés disso continuaram a mesma porcaria de sistema do Getúlio Vargas.
  • SRV  08/11/2017 18:57
    anônimo e outro anônimo,

    Vocês falam como se os militares fossem honestos. Querem combater o autoritarismo socialista com autoritarismo militar.

    "Tá serto".

    Precisamos de menos Estado. Não precisamos de milicos e seus planos de mais Estado e mais autoritarismo.
  • Jéssica Caroline  03/11/2017 16:39
    Matéria muito bem feita!
  • Mário  06/11/2017 17:53
    Texto mais do que apropriado. E falo isso por mim mesmo, que sou um exemplo de pessoa que acreditava sinceramente na narrativa da esquerda e que mudei minha cabeça severamente. Pra se ter uma ideia, eu tenho 37 anos e desde os meus 17 eu sempre votei na esquerda. Não só votei como era um dos idiotas úteis que faziam militância gratuita. Nas últimas eleições municipais, já decepcionado com o governo petista, eu votei em branco pela primeira vez. Nessas eleições que virão em 2018 eu não só não vou votar na esquerda,como tenho condição para que receba meu voto, que o candidato seja defensor do livre mercado e se comprometa a fazer o máximo de privatizações.
  • carla ribeiro  08/11/2017 17:20
    Concordo plenamente com o ponto de vista abordado no texto. Esses dias no trabalho enxeram meu saco que um site o qual estou fazendo a identidade visual é machista e opressor. Fiquei sem entender nada, porque os conteúdos não falam nada de mais, além de produtos de sexo que são naturais e fazem bem para o corpo. Vou até deixar o site aqui:
    www.mensagens.inf.br/mensagens-de-amor-veja-aqui-as-melhores/
    Ele pode ser até malicioso, mas de jeito nenhum infringe a integridade da mulher, além dos produtos divulgado serem de uso mais consciente do que medicamentos, por ser natural e liberar menos toxinas nos rios através do esgoto. Mas a esquerda sempre dá um jeito de distorcer tudo. Não sei quem são os apoiadores dessa causa. Mas como sempre digo, não é direita contra a esquerda, é o povo contra o governo corrupto. As pessoas tem cada vez mais enxergado isso
  • Coelho  10/11/2017 18:55
    Aqui no Brasil estamos no momento numa encruzilhada, no campo da cultura e da economia, portanto o problema é duplo.

    Talvez o momento seja muito mais de uma guerra cultural do que da economia propriamente dita, apesar de que a economia também tem seus problemas culturais.

    Agora, muita gente pode ter certeza de que o liberalismo e o conservadorismo nunca deu o seu ar da graça no Brasil de fato. Temos a chance de começar uma vertente neste sentido, vai depender da vanguarda deste movimento.
  • Thiago Ferreira de Araujo  16/11/2017 16:40
    Vamos colocar em palavras claras: A esquerda desde 1964 trilhou todos os passos para que o marxismo se tornasse um pensamento cultural hegêmonico, essa transição foi marcada pelo infiltramento de todos os orgãos que constituem a opinião e formação pública, o nome claro dessa estratégia usada para a dominação do povo brasileiro é GRAMSCIMO, e o PT sem duvidas foi um dos maiores partidos Gramscistas da historia.
  • WDA  20/11/2017 21:39
    Brilhante esse texto de Bruno Garschagen!

    Você escreveu o texto que eu gostaria de ter escrito. Cada vez que eu ouço essa patacoada de algum esquerdista na televisão eu penso: dividido nada! Está todo mundo contra os políticos!

    Lembremos que a Dilma saiu do poder com míseros 4% de aprovação e eles já diziam essa mentira: "o Brasil está dividido"... Bando de esquerdistas mentirosos.
  • Caio Daniel Nunes Santos  05/12/2017 23:13
    Só eu que acho que a ditadura no Brasil foi de esquerda?
  • João Girardi  04/01/2018 11:15
    Não.
  • Cristino Fagner   08/09/2022 18:44
    Na economia sim, esquerda total.
  • Gabriela Javorski  20/12/2017 11:12
    Veja aqui como Colastrina Comprar já existia nesse tempo e ninguém divulgava porque era tudo questão do governo manter isso em silêncio
  • juca  05/02/2018 05:09
    Quem escreveu este artigo está meio cego para a realidade? O país não está dividido? Ou você é coxinha ou petralha, não tem meio termo. Ou você é um porco de direita ou um comunista que come criancinhas, não tem meio termo. Aonde é esse Brasil que não está dividido? Me conta que quero me mudar para lá.
  • Pobre Paulista  05/02/2018 13:06
    Excelentes argumentos, desmontou cada ponto do artigo minuciosamente.
  • Wanderson  18/10/2018 13:34
    Sinceramente, a questão maior é que no Brasil, só é aceito algum argumento se ele for marxista, ou pós-marxista; a pluralidade espalhada e debatida em fóruns, se resume em "quem é mais socialista" na faculdade, nunca sequer me apresentaram outra forma de pensamento, de ideologia, de nada! Então, como podem dizer que é um ideal democrático, se o próprio conhecimento e as teorias sobre o assunto são totalmente relativos? Como haverá evolução se não forem apresentados vários caminhos? É sempre o mesmo caminho, com atalhos ou desvios, mas como no socialismo fabiano, o fim será o mesmo. Talvez escolas sem partido, sejam mesmo a solução para uma refundação da educação no Brasil.
  • Ismael  22/10/2018 09:36
    Excelente texto! A verdade nua e crua.
  • Cesar Vieira  28/05/2019 00:23
    Há muito tempo não Lia um texto tão lúcido sobre a atual conjuntura política. Parabéns e obrigado!
  • Dimas Gonçalves Pereira  30/07/2019 14:34
    Caros, me sinto representado e muito por matérias como essa do Mises... Por pensar dessa forma que estou bloqueado no facebook... No face, um esquerdista pode te chamar do que quiser... de burro, gado, fascista, homofóbico, ect, mas se vc devolve a ele na mesma moeda, o facebook o acusa de quebrar as regras de uso da página e te bloqueia.... Mas isso é apenas o reflexo do que se diz na matéria, mas o intolerante somos nós... Como disse o Bolsonaro, o brasileiro não esta acostumado ou não suporta a verdade...
  • Vitor  30/07/2019 17:45
    Discordo do artigo. É verdade que antes havia uma hegemonia cultural de esquerda no país, em quase todos os campos, e que as vozes de direita praticamente inexistiam por aqui. Mas daí a dizer que agora o país está "mais plural do que nunca", para mim é querer forçar demais a barra. O que vejo é um país dividido, sim: mais do que dividido, polarizado. Vejo uma esquerda radicalizando cada vez mais para a extremidade, uma direita conservadora cristã também radicalizando para o outro lado e, no meio disso tudo, um pequeno grupo de liberais de direita (como a maior parte dos que estão aqui neste site) tendo que lutar em duas frentes, contra os dois pólos opostos: uma esquerda burra, corrupta e retrógrada, e uma direita conservadora religiosa radical (ex: Olavo de Carvalho, Flávio Gordon, etc.) que também parece pensar como manada, neste quesito não ficando muito atrás da esquerda. Enfim, isso para mim não é pluralidade coisa alguma. Nós, liberais, ainda somos minoria - e bota minoria nisso - aqui no país. Experimente entrar num site qualquer de DIREITA (tipo O Antagonista, ou A Gazeta do Povo) e criticar alguma ação ou fala do Bolsonaro para você ver a "pluralidade" da direita. Ou então, entrem num Facebook da vida e vejam como 99% das postagens sobre política se dividem entre os radicais panacas de esquerda de sempre (que nem merecem comentário) e bolsonaristas fanáticos que acham que o cara é "mito" e quase um Deus, para quem qualquer um que faça uma crítica sequer a este governo é "petralha". Isso não é pluralidade - é polarização sim. Sinto muito ter de discordar veementemente do autor deste artigo.
  • Barbara Maffessoni  26/02/2020 02:08
    É bem por aí amadinho, eu mesma, sempre levo pedrada dos dois lados, tanto para a esquerda ou para a direita, é "crime inafiançável uma transgênero ser liberal ou libertária".

    A direita Olavista me chama de massa de manobra, fruto da esquerda e fala em "me curar". Já a esquerda progressista diz que eu sou uma "má influência" e uma "vergonha" para a "causa LGBT", que eu poderia trazer "más influências" para as outras trans.

    Enfim, uma pessoa liberal ou libertária aqui no Brasil (ainda mais uma nas minhas condições), tem que aceitar o preço a se pagar por essa escolha: Isolamento social, pois é isso que acontece se você não cede a polarização desses asnos de puxar carroça:

    Agressões verbais e até físicas desses fanáticos, enfim, assim como o passado e o presente, o futuro do Brasil é ter um Estado Forte e Autoritário até o fim de seus tempos, exatamente porque os polaróides apoiam esse tipo de violência de maneira irrestrita.
  • Entreguista  30/07/2019 18:00
    Dimas Goncalves. Largue o facebook. Voce ja viu os lixos que comandam o facebook Brasil em Sao Paulo? Tudo lixo esquerdista. É uma luta perdida aquela merda. Tudo vendido ao governo em troca de monopolio.
  • Vanor Ribeiro da Silva   30/07/2019 19:15
    Bela análise, espero que continuemos inquietos.
  • Leandro C  30/07/2019 19:18
    O Brasil está cada vez mais dividido!? Tomara que sim, pois estando concentrado, permanece nas mãos de poucos e isto não funcionou até agora (ao menos não para mim, que não sou um destes poucos)
  • Jorge  02/06/2020 02:26
    "A esquerda é abstrata e mau-caráter porque nega a realidade histórica humana a fim de construir seu domínio sobre o mundo. Vende elogios ao homem para assim tê-lo como um retardado mental a seu serviço. A esquerda é puro marketing. No fundo, não passa de autoajuda" Luiz Felipe Pondé (Por que virei à direita - Editora Três Estrelas, 2014, pág. 81)
  • Rip van Winkle  08/09/2022 03:56
    Esse texto reflete a realidade hoje, em 2022, com as eleições e a imprensa em geral. Eu não consigo aguentar esses pseudojornalistas da Globo e o discurso do "antidemocrático" para esses "intelectuais" o fato de alguém atacar o congresso e qualquer outra autarquia opressora e monopolista é um ataque à democracia. Não é liberdade de expressão para esses pacóvios o fato de alguém se manifestar, mesmo que radicalmente, contra qualquer pessoa ou entidade. Ora, meu Deus, se eu não estou utilizando de violência contra ninguém e nada, eu não estou cometendo nenhum atentado contra nada e ninguém, é puramente liberdade de expressão. Mas esse pessoal utiliza-se de recursos capciosos para levar seus leitores e ouvintes, através de uma retórica falha, de malabarismos argumentativos, de que tal conduta vai contra a constituição. Que constituição cara-pálida? Uma constituição mal feita, que foi formulado por um monte de gente da esquerda radical inclusive, e que era chamada pelo Roberto Campos de constituição BESTEIROL? Por favor, vamos ter hombridade. O mais absurdo é que quando vemos gente que defende os ideias desses mesmos pseudojornalistas não tem atendado contra a democracia alguma. Como por exemplo, o Ciro Gomes, que recentemente teceu vários elogios (surreal) ao ditador, psicopata, genocida, Getúlio Vargas, um xenófobo de carteirinha (recomendo a leitura da lei 406 de 1938), bastião da esquerda, que foi o verdadeiro fascista da nação brasileira e que para eles foi o salvador da pátria. Eu chego a conclusão que quem é de esquerda não tem VERGONHA NA CARA mesmo, é o tipo de pessoa mau-caráter que devemos destruir com argumentos implacáveis e manter distância, porque são ervas daninhas.
  • Nikus Janestus  08/09/2022 15:16
    Concordo com tudo que você disse, a época de eleição é umas das piores épocas do ano, fora apenas o fato de que eu achei bastante humoroso os debates dos políticos. Democracia é uma palhaçada, se eu já não gosto de assistir televisão, eu nem sequer á ligo durante às épocas de propaganda eleitoral. Toda essa palhaçada de "anti-democrático" e "pró-democratico" é uma piada maior ainda, meras novilínguas utilizadas como termos com motivos políticos para usos pejorativos ou apreciativos.

    É literalmente "Quem não está do meu lado é "anti-democrácia", e quem está do meu lado é "pró-democracia", isso tudo mostra bem o quão insustentável é a democracia representantiva em nível nacional.
  • Richard  08/09/2022 12:30
    O brasil sempre estará dividido entre a imbecilidade direita e a imbecilidade esquerda. Sempre os esquerdistas achando que é fácil resolver todos os problemas com base no intervencionismo, e sempre os direitistas achando que é fácil resolver todos os problemas desregulando.
    É mais fácil vincular o ego à opinião, porque aí basta defender seja lá qual ela for de forma apaixonada e ignorar todo o resto.
    Enfim, anular o voto e torcer que o país se foda, eis a solução (filosófica).
  • Nikus Janestus  08/09/2022 14:49
    Se você acha que acha que gostar de desregular é um ponto "imbecil" da direita, então recomendo estudar mais sobre política, pois está longe de ser um ponto negativo, muito pelo contrário, é um dos poucos pontos positivos da direita.

    Na verdade, se tudo que a direita fizesse fosse desregular, seria ótimo, pelo menos possuiriamos livre-mercado, algo que estamos longe de possuir.

    "Enfim, anular o voto e torcer que o país se foda, eis a solução (filosófica)."

    Tens todo o direito, mas está longe de ser qualquer "solução", isso daí é blackpill pura.
  • Richard  09/09/2022 12:22
    Eu não acho que desregular é um ponto imbecil da direita, e sim a ultrassimplificação da desregulação. Todos têm a resposta simples, todos acham que é só fazer isso e pronto, é o justo, é o ideal.
    O livre-mercado é interessante, eu apoio, minha 'briga' com os liberais/libertários é justamente a "oversimplification" de todas as soluções. A título de de exemplo, defende-se a inexistência de um banco central, com dados argumentos que são até válidos, mas nunca considera-se os possíveis prejuízos de alguém ir lá, deixar o dinheiro em um banco e os donos decidirem fechar as portas e vazar com o seu dinheiro (um exemplo chulo só pra desenhar).
    Será que eu continuaria investindo em ações se a CVM deixasse de existir? Sinceramente eu não sei, e por isso minha opinião é sempre com um pé atrás. Porém, a direita, em muitos casos, acha que é tudo simples de resolver mas aparentemente nunca fazem um exercício mental para ver os efeitos práticos do que defendem. Sei que não são todos, mas são muitos.
  • Nikus Janestus  09/09/2022 20:17
    "Eu não acho que desregular é um ponto imbecil da direita, e sim a ultrassimplificação da desregulação. Todos têm a resposta simples, todos acham que é só fazer isso e pronto, é o justo, é o ideal."

    Será que quem está ultrassimplificando algo não é você? Não existem respostam simples, mas respostam objetivas por meio de prosas diretas. Afinal, qual libertário não quer que tudo seja desregulado? Ficar medindo o que é viável de acordo com parâmetros estatistas é coisa de político, que no final tende á criar desregulações meia-bocas. É por meio das análises aprioristicas que tudo é desvendado, não importa se é uma "solução simples" ou não, o que importa é se é verdadeiro ou não.

    "O livre-mercado é interessante, eu apoio, minha 'briga' com os liberais/libertários é justamente a "oversimplification" de todas as soluções. A título de de exemplo, defende-se a inexistência de um banco central, com dados argumentos que são até válidos, mas nunca considera-se os possíveis prejuízos de alguém ir lá, deixar o dinheiro em um banco e os donos decidirem fechar as portas e vazar com o seu dinheiro (um exemplo chulo só pra desenhar)."

    Nunca se considera? Não é porquê você não considera que ninguém mais considera. Isso daí é golpe, estelionato, e existe independente se o BC existe ou não. O livre-mercado, aonde às empresas que mais atendem os interesses dos consumidores se dá bem, irá continuar existindo independente de agências reguladoras e intervencionista.

    De certa maneira, nós já vivemos em uma espécie de anarquia nos setores aonde o Estado não mete a mão, tipo na indústria de games (apesar dos impostos), será que existe caos neles? Enquanto isso, nos setores aonde o Estado mais intervem, isso é, drogas, existe caos e mafias para todo lado. Será que o Estado não possuí qualquer culpa nisso? Leia os artigos desse site, e entenderá o efeito de causa e consequência.

    "Será que eu continuaria investindo em ações se a CVM deixasse de existir? Sinceramente eu não sei, e por isso minha opinião é sempre com um pé atrás. Porém, a direita, em muitos casos, acha que é tudo simples de resolver mas aparentemente nunca fazem um exercício mental para ver os efeitos práticos do que defendem. Sei que não são todos, mas são muitos."

    Não sei de quem está falando, mas se ler os artigos desse instituto, verá que o quê mais fazemos são exercícios mentais práticos. Em verdade, a própria teoria austríaca como um todo surgiu por meio de exercícios mentais.
  • Lucas  14/09/2022 13:51
    "A título de de exemplo, defende-se a inexistência de um banco central, com dados argumentos que são até válidos, mas nunca considera-se os possíveis prejuízos de alguém ir lá, deixar o dinheiro em um banco e os donos decidirem fechar as portas e vazar com o seu dinheiro (um exemplo chulo só pra desenhar)."

    Isso é fraude. Quebra de contrato. Logo, crime. E crime tem de ser punido pelo judiciário (se o judiciário será estatal ou privado é outra discussão).

    O BC, por si só, nada pode fazer contra fraude. Ele pode punir após o ato ter sido efetivado, mas não pode impedi-lo.

    Com efeito, há inúmeros casos de bancos que quebraram e desfalcaram clientes sob o nariz do BC.

    Logo, este seu exemplo ("BC impede fraudes") é tecnicamente inócuo. A realidade mostra isso.
  • Imperion  14/09/2022 16:46
    É exatamente por existirem bancos centrais que os bancos não têm dinheiro pra pagar os depositantes e deixam estes na mão quando querem sacar. O BC não faz nada pra impedir isso. Ele existe mais para imprimir dinheiro e fazer os depositante pagar pra não ter o dinheiro sumido dos próprios bancos.

    A existência dos bancos centrais ao contrário estimulam os bancos a serem desonestos ao cobrirem suas falhas com o dinheiro dos depositantes (vc paga pro ladrão te roubar).

    Se o BC não existisse, a moeda não seria inflacionária e duvido muito que alguém guardasse dinheiro no banco. Este teria que pagar bem pra que vc deixasse algum dinheiro lá.
  • Vitor  08/09/2022 15:04
    Olá, Richard. Qual a sua contribuição positiva para a humanidade?
  • Rene  09/09/2022 12:25
    Richard, esta tua abordagem é, de longe, a abordagem mais usada por pessoas que querem se sentir especialistas instantâneos sem ter nenhum conhecimento sobre o assunto. Primeiro, vc coloca todos os que discutem um assunto em posições opostas, fala que todos estão errados (sem entrar no mérito sobre por que estão errados), e aí se coloca na posição de moderado, sendo superior intelectualmente e moralmente por não estar em nenhum destes dois opostos.

    Por outro lado, se posicionar quanto à proposta em si (sem se preocupar com bobagens como em qual lado do espectro político vc está) é muito mais difícil. Requer conhecer as propostas e as implicações destas no mundo real. Mas, de qualquer forma, se o que vc quer é que o país se exploda, e acha que os dois lados do espectro político estão indo para o mesmo buraco, por que você ainda se preocupa com este assunto? Simplesmente deixe os adultos conversarem e vá brincar lá fora.
  • Richard  14/09/2022 10:50
    Olha aí, a típica resposta dos leitores de MISES, parece que arrogância é requisito mínimo nesse site. Quando eu digo que esquerdista e liberal/libertário é tudo igual ainda acham absurdo kk
  • Nikus Janestus   14/09/2022 17:27
    "Olha aí, a típica resposta dos leitores de MISES, parece que arrogância é requisito mínimo nesse site. Quando eu digo que esquerdista e liberal/libertário é tudo igual ainda acham absurdo kk

    Primeiro você ignora tudo que o cidadão disse, taxando ele de arrogante e fazendo generalizações em relação ao comportamento "típico" dos leitores do Mises. Mas depois você ainda joga os libertários no mesmo saco que esquedistas e liberais e termina com um "kk" como se por acaso isso fosse da-lo razão moral, "olha como eu sou foda kk". O cidadão acima disse bem, é melhor você ficar brincando lá fora enquanto os adultos de verdade debatem e discutem entre si, ficar atirando para todo lado sem propor algo novo não irá levá-lo a qualquer lugar.
  • Richard  14/09/2022 23:27
    Os "adultos" que têm a resposta de tudo e levitam sobre a sociedade.
    Ora, isso me lembra alguém... Ah sim, os esquerdistas. Dada a hostilidade dos comentários em quase todos os artigos só prova que estou certo, seja isso bom ou ruim.
    Qualquer pessoa que escreve para deixar os "adultos" conversarem escorou o ego na opinião, não precisa ser um Phd em psicoanálise pra notar. E aí, quando os direitinhas se unem em prol de dar tapinhas nas costas um do outro é que se vê o quão próximos vocês estão do esquerdista; é quase uma réplica da personalidade com a opinião oposta. Caso eu estivesse mentindo já teríamos ao menos um candidato forte em vossa defesa. E não temos por quê? Porque estão todos se xingando, com a mesma doença ideológica dos petistas, com a mesma paixão pelo que acreditam, e claro, é sempre importante repetir, com a ultrassimplificação de tudo.
    Concluindo, os "adultos" podem ficar com as discussões egocêntricas de vocês, chamando-se de adultos e com esse senso de superioridade tão característico de vocês, mas no final das contas os que veem de fora (seja qual for a posição política e econômica), sempre os verão com o mesmo ardor dos que saem comprando toalha e lençol com foto de político.
  • Nikus Janestus  15/09/2022 01:39
    Minha opinião contínua a mesma, e sua birra não irá mudar absolutamente nada meu caro. Você tem todo o direito de expor sua opinião, seja lá qual for ela, mas cada coisa que você diz na internet provocará reações diferentes de pessoa para pessoa, isso é inevitável, independente se o indivíduo é esquerdista, direitista, baixista ou marciano.

    Você não argumenta, mas atira para todos lados com opiniões emotivas, então como te levar á sério se você está apenas falando coisa com coisa em uma busca desesperada para tentar provar o quanto sua opinião está certa? E olha que eu sigo fielmente a filosofia da lógica e razão, e logo, sempre presto atenção nas diferentes opiniões.

    O debate aqui é político, mas ninguém está defendendo ou amando político por aqui, e muito menos mostrou indícios de tal, você está apenas generalizando suas crenças contra às pessoas cujas opiniões não concorda ou são contra às suas, e isso não é tão diferente do que os "direitistas e esquerdistas" que você tanto odeia fazem.

    Recomendo quê, antes de julgar um determinado individuo ou grupo, certifique-se de que não está sendo um hipócrita, caso contrário será criticado por aqueles que entendem sobre hipocrisia e falácias. Você pode muito bem falar que estou sendo arrogante, mas recomendo olhar para a maneira que se expressa desde o seu primeiro comentário nessa discussão.
  • anônimo  08/09/2022 21:08
    Infelizmente ,da mesma forma como eles perderam esse monopólio, o discurso em defesa da liberdade de expressão morreu junto. Existe um combate as ''fake news'', seja lá o que for isso ou quem é que vai ser o juíz da verdade..
    Ou seja. Partiram para a censura na incapacidade de vencer o debate de idéias
  • Rene  09/09/2022 11:18
    Antes, o pessoal da esquerda tinha o monopólio da virtude. Era bonito alguém falar que é adepto à esta ideologia. Agora, ser de esquerda tem um custo. E este custo está sendo insuportável para eles. Pois eles deviam é agradecer por isso, pois se o Brasil virasse comunista de verdade, muitos dos atuais adeptos ao comunismo iriam para a vala. Ninguém matou tantos comunistas no mundo quando os próprios comunistas.
  • Anônimo   12/09/2022 12:46
    Sou anti-político e super fã dos suíços, sendo estes os primeiros a colocarem freios nos políticos assim como um fazendeiro coloca freios nas bocas dos cavalos, lá não tem fã clube de ladrão como tem aqui (o chamado ladrão de estimação). Na Suíça não tem como um político corrupto se enraizar num sistema porque a duração de cada mandato é de apenas 1 ano e não sei se existe reeleição, aliás nunca ouvi falar no nome de qualquer político suíço a não ser por aqui no site do Instituto Mises.

    Ao citar os suíços eu tenho que discordar com o artigo, o Brasil está dividido sim, e a maioria da população acha que votar no Lula vai fazer chover picanha e cerveja do céu, tamanha é a falta de informação de qualidade e esclarecimento da população. Regiões do país como Norte, Nordeste e partes do Centro Oeste tem acesso ainda precário a Internet, o que mais tem lá ainda é a TV aberta (pública), e já sabemos que estão fazendo propaganda em peso à favor de Lula, tanto que isso está se refletindo nas pesquisas que o mostram na liderança. Pouquíssimos brasileiros sequer entendem o básico de Economia.

    Vou anular meus votos porque político nenhum nunca mais vai me enganar mas já é certo que Lula será eleito. O grande problema é o que virá depois disso, sendo que o povo sempre é o primeiro a pagar o pato por suas decisões nessa época.
  • cmr  25/10/2022 05:05
    O "Bozo" está subindo rapidamente nas pesquisas, se é que essas merdas valem alguma coisa...

    Vote Bozo 22, PT nunca mais... (é triste ver libertário pedindo votos para um político, eu sei.)
  • Nikus Janestus  25/10/2022 22:00
    Brasil dividido? Isso é uma piada? Nunca vi o Brasil tão unido quanto agora, brigando uns contra os outros conjuntamente em nome de políticos... Se queremos liberdade, devemos buscar a divisão, quanto mais às pessoas se unem em nome de idéias coletivistas, menores serão os sonhos sobre liberdade. Os próprios suíços não se tornaram o que é hoje porque se uniram com seus conquistadores passados em nome de "ordem e progresso", mas sim porque se dividiram em comunhão contra se seus conquistadores, formando a confederação helvetica, um estado extremamente divido e com diversas culturas, que culminaria no longo-prazo na Suiça que é hoje, que teve que lidar com inúmeras invasões e tentativas de conquista em toda sua história.

    Porque a Suiça sobreviveu e ricou rica? Pois houve anarquia entre os Estados. Eles não estavam unidos em nome da força e coersão, mas em nome da prosperidade e formação de riquezas deles mesmos. Uma união só é válida quando o motivo é a valorização da liberdade, mas nunca se iluda com a união, sempre busque divisão, e assim haverá diferenças entre você, aquele que busca divisão e individualismo, e aqueles que buscam pelo coletivismo e violência contra às outras uniões coletivistas. O Brasil nunca esteve tão unido em nome do ódio político como hoje, tanto é que já se fala em guerra civil, assim como nos EUA, outro país que também está unido em nome das brigas de políticos por poder...

    A Suiça é diferente porque não é um Estado, mas sim porque é uma união descentralizada entre Estados, algo que os EUA também já foi, pelos menos parcialmente, um dia, mas que o Brasil nunca foi, por aqui existem até sonhos molhados em relação à monarquia do passado, é de se lamentar a situação.


Envie-nos seu comentário inteligente e educado:
Nome
Email
Comentário
Comentários serão exibidos após aprovação do moderador.